sicnot

Perfil

Mundo

Mohamed Ali foi "campeão mundial a favor da igualdade e da paz"

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, classificou hoje o pugilista Mohamed Ali como "um campeão mundial a favor da igualdade e da paz" e destacou a sua luta contra a discriminação racial.

Ban Ki-moon, secretário geral da ONU.

Ban Ki-moon, secretário geral da ONU.

© Denis Balibouse / Reuters

O ex-campeão mundial de boxe morreu na sexta-feira, aos 74 anos, num hospital da cidade norte-americana de Phoenix, onde estava internado, devido a complicações respiratórias.

Em comunicado, Ban Ki-moon expressou que Mohamed Ali "foi um campeão mundial a favor da igualdade e da paz", destacando a sua "incomparável combinação de princípios, encanto, engenho e excelência".

Segundo o secretário-geral das Nações Unidas, o pugilista "lutou para conseguir um melhor mundo e usou a sua plataforma para ajudar a melhorar a Humanidade".

Mohamed Ali foi nomeado mensageiro da paz da ONU, em 1998, mas, nos anos 70, já tinha apoiado a ONU nas campanhas contra a discriminação racial e a injustiça.

Ban Ki-moon recordou que, na abertura dos Jogos Olímpicos de 2012, em Londres, teve "a honra" de levar a bandeira olímpica, juntamente com Mohamed Ali.

Lusa

  • Morreu Muhammad Ali
    2:02

    Desporto

    Depois de um combate de 32 anos contra a doença de Parkinson, o pugilista e campeão mundial morreu esta sexta-feira aos 74 anos, num hospital em Phoenix, no estado do Arizona, nos Estados Unidos.

  • Morreu Muhammad Ali aos 74 anos

    Desporto

    O lendário ex-campeão mundial de boxe, na categoria de pesos pesados, Muhammad Ali, morreu na sexta-feira aos 74 anos, num hospital em Phoenix, no estado do Arizona, nos Estados Unidos, anunciou a família em comunicado.

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26