sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 23 milhões de peruanos elegem hoje novo Presidente

Cerca de 23 milhões de peruanos vão hoje às urnas para escolher o novo Presidente: a candidata da direita populista Keiko Fujimori, filha de um ex-Presidente, ou o ex-banqueiro de Wall Street Pedro Pablo Kuczynski, de centro-direita.

Fotos dos candidatos presidenciais Keiko Fujimori e Pedro Pablo Kuczynski num ritual para prever quem sairá vencedor.

Fotos dos candidatos presidenciais Keiko Fujimori e Pedro Pablo Kuczynski num ritual para prever quem sairá vencedor.

© Mariana Bazo / Reuters

A dois dias das eleições, as sondagens davam-lhes um empate técnico, depois de Fujimori, de 41 anos, ter perdido, na reta final da renhida corrida, a margem superior a cinco pontos percentuais que até então detinha para o adversário, de 77 anos.

Ambos os candidatos prometeram combater o crime e criar emprego no país, uma das mais fortes economias da região.

Mas, após a sondagem realizada a uma semana do escrutínio que dava a Fujimori um avanço de 5,3 pontos percentuais, ela enfrentou um debate televisivo difícil com Kuczynski e uma manifestação maciça contra ela em Lima, a 31 de maio.

Um dia antes, a 30 de maio, a candidata que ocupou o terceiro lugar na primeira volta das eleições, a esquerdista Veronika Mendoza, anunciou o seu apoio a Kuczynski.

O diretor da consultora e empresa de sondagens CPI, Manuel Saavedra, estimou que, a dois dias do escrutínio, havia ainda cerca de 5% de eleitores indecisos, o que considerou suficiente para virar o resultado contra a conservadora populista Fujimori, que é popular nas comunidades rurais pobres mas tem também uma elevada taxa de desaprovação.

Muitos peruanos associam-na ao autoritarismo do pai, Alberto Fujimori, que se encontra a cumprir pena de prisão por corrupção e massacre de opositores por ele acusados de terrorismo.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.