sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 32 mortos em Alepo devido a bombardeios da aviação nacional

Pelo menos 32 pessoas, entre elas uma mulher e três menores, morreram hoje nos bombardeamentos da aviação síria contra vários bairros na cidade de Alepo, no norte, informou o Observatório dos Direitos Humanos Sírio.

(arquivo)

(arquivo)

Os bombardeios foram lançados por caças e helicópteros sírios contra os bairros de Al Qatavi, Karam al Yabal, Yesr al Hach, Al Maiser, Al Zabdiya e na zona de Castilo, sob o controlo dos rebeldes.

Noutra zona, oito pessoas morreram, entre elas uma mulher, devido aos bombardeios perpetrados pelos rebeldes contra os bairros de Al Muhafaza e Al Tilal, entre outras zonas controladas pelo regime, adiantou a organização não governamental, citada pela Efe.

Segundo o Observatório, em ambas as zonas prevê-se que o número de mortes venha a aumentar, já que existem mais de 200 feridos, alguns deles em estado grave.

Em resultado destes ataques, aumenta para 519, entre eles 108 menores e 78 mulheres, o número de mortes registadas em Alepo desde 22 de abril.

Desde 2012, o regime sírio controla os bairros ocidentais de Alepo e as fações rebeldes e islamitas controlam a parte oriental.

Apesar das tréguas declaradas em Alepo com a mediação internacional dos Estados Unidos e Rússia, a violência aumentou nas últimas semanas na cidade, a segunda mais importante da Síria, e em toda a província.

Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15