sicnot

Perfil

Mundo

Cábulas no exame de acesso ao ensino superior na China punidas com prisão

O uso de cábulas durante o 'Gaokao' chinês, o maior exame de acesso à universidade do mundo, passou a ser um crime punido com pena de prisão até sete anos, afirmou hoje a imprensa local.

reuters

A medida insere-se numa campanha das autoridades contra esquemas fraudulentos, que vão desde o uso de lembretes até sofisticados métodos, num teste de conhecimento considerado "crucial à meritocracia chinesa".

Pelas contas do Governo chinês, de um total de quase dez milhões de adolescentes que esta semana se submetem ao 'Gaokao', apenas 3,25 milhões vão conseguir entrar na universidade.

Entre aqueles, só alguns milhares terão acesso às universidades de topo do país, que garantem maiores probabilidades de um bom futuro profissional ou académico.

Segundo o Ministério da Educação, nas últimas semanas foram detidos 170 suspeitos e apreendidas seis mil peças de material, incluindo informação sobre o exame comercializada 'online' e equipamento utilizado para copiar.

De acordo com relatos na imprensa local, com base em 84 casos ouvidos em tribunal entre 2012 e 2015, os produtos e dispositivos utilizados por cábulas variam entre relógios, auscultadores e t-shirts com recetores, até equipamento usado em espionagem.

A contratação de substitutos que se fazem passar pelo candidato, um dos esquemas mais recorrentes nos últimos anos, tem também sido alvo de maior controlo pelas autoridades, destacou a agência oficial chinesa Xinhua.

Em setembro passado, 42 pessoas foram punidas por organizar um esquema fraudulento na província de Jiangxi, sul do país, incluindo 22 funcionários do Governo.

As desigualdades regionais nas vagas de acesso à universidade são também um frequente motivo de protesto.

No mês passado, vários pais bloquearam o acesso à sede do Governo de Jiangsu, na costa leste, após o Ministério da Educação chinês ter reduzido o número de vagas no ensino superior para estudantes daquela província.

A medida, que visa aumentar as possibilidades dos estudantes oriundos de províncias mais pobres entrarem em universidades de topo, motivou protestos semelhantes em Hubei, centro do país, relataram os jornais locais.

"Todo o país sente a ansiedade em torno do 'Gaokao', que se tornou numa questão extremamente importante para as famílias chinesas", afirmou Xiong Bingqi, especialista em Educação, ao jornal oficial Global Times.

"Para muitos estudantes e pais, sobretudo os oriundos de famílias desfavorecidas, trata-se de uma oportunidade de subir na sociedade e obter um 'status' mais alto", acrescentou.

  • Governo admite subir preço da água para promover a poupança
    3:48

    Economia

    O Governo admite aumentar o preço da água para promover a poupança, numa altura em que o país está em seca extrema. Contudo, a eficácia da medida está comprometida pelo menos no imediato. Qualquer mexida no preço só poderá acontecer em 2019 porque as tarifas do próximo ano já estão decididas.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • Cobra encontrada em comboio na Indonésia
    0:26

    Mundo

    Um passageiro usou as próprias mãos para retirar uma cobra que estava dentro de um comboio em Jacarta, na Indonésia. O vídeo foi gravado por um passageiro na passada terça-feira, 21 de novembro. A cobra estava na parte de cima da carruagem. Algumas testemunhas dizem que o réptil escapou da bagagem de um dos passageiros.

  • Pense bem antes de beijar um colega

    Mundo

    O tribunal da província espanhola de Huesca aceitou o pedido de indemnização de uma mulher que foi vítima de assédio sexual por parte de um colega de trabalho. A mulher terá pedido boleia ao colega que, dentro do carro, lhe passou a mão pelas pernas, mas não ficou por aí.

    SIC