sicnot

Perfil

Mundo

Condenados na Índia cinco homens por violação de turista dinamarquesa em 2014

O tribunal de Nova Deli, na Índia, condenou hoje cinco homens pela violação coletiva de uma turista dinamarquesa em 2014.

reuters

Os cinco homens foram considerados culpados de violação e roubo de uma mulher de 52 anos, que foi coagida com uma arma branca, depois de se ter perdido no regresso ao seu hotel no centro de Nova Deli.

A sentença vai ser conhecida na quinta-feira, 09 de junho.

Três acusados no âmbito do mesmo caso estão a ser julgados em separado, através do sistema de justiça juvenil.

Outro homem, o nono acusado no caso, um adulto, morreu antes de o julgamento terminar.

A mulher dinamarquesa viajava sozinha e abordou um grupo de homens para pedir direções para regressar ao local onde estava alojada.

O ataque, em janeiro de 2014, foi o mais recente de uma série de ataques sexuais que envolveram estrangeiros na Índia.

O Governo indiano endureceu as penas de prisão pelo crime de violação e reformulou os procedimentos da polícia, na sequência de uma violação coletiva de uma estudante de medicina num autocarro em movimento em Nova Deli, em 2012, que resultou dias depois na morte da vítima.

Deputados indianos aprovaram em 2015 uma lei que permite punições mais severas para jovens dos 16 aos 18 anos, após protestos contra a libertação de um jovem condenado por participação numa violação em grupo em 2012.

O jovem condenado no caso da violação mortal da estudante de medicina Jyoti Singh em dezembro de 2012 cumpriu três anos de prisão.

As alterações à lei, pedidas nos protestos, permitem que os menores entre os 16 e os 18 possam ser condenados a pelo menos sete anos de prisão em centros para infratores juvenis, caso sejam condenados por "crimes hediondos", incluindo violação e homicídio.

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26