sicnot

Perfil

Mundo

Francês preso na Ucrânia, suspeito de preparar 15 atentados

Um francês foi preso a 21 de maio na Ucrânia, por suspeita de estar a preparar 15 atentados no campeonato europeu de futebol 2016, que se realiza em França, anunciaram hoje os serviços de segurança ucranianos.

reuters

"A SBU conseguiu impedir quinze atos terroristas planeados para acontecerem antes e durante o Campeonato Europeu de futebol", declarou o chefe dos serviços de segurança ucranianos (SBU), Vassil Grytsak.

Segundo o responsável, o suspeito disse às autoridades ucranianas que era contrário à "política do seu governo em relação à chegada em massa de estrangeiros a França, a difusão do Islão e a globalização".

Vassil Grytsak disse ainda que "o cidadão francês recebeu cinco espingardas automáticas Kalashnikov, mais de cinco mil munições, dois lança-foguetes antitanque, 125 quilos de explosivos TNT, 100 detonadores, 20 capuzes e outras coisas".

"Os objetivos eram, alegadamente, uma mesquita, uma sinagoga, centros de cobrança de impostos, instalações de controlo em autoestradas e outros locais", declarou Vassil Grytsak.

"O grupo para o qual o cidadão detido levava as armas planeava uma quinzena de atentados no período da celebração do Euro 2016", acrescentou.

De acordo com a SBU, o francês chegou à Ucrânia em dezembro 2015 e, apresentando-se como voluntário, fez contacto com as unidades militares no leste do país, onde as forças ucranianas combatem os separatistas pró-russos.

"Ele começou a concentrar-se nos meios para comprar armas, explosivos e outros equipamentos na Ucrânia ", disse Vassil Grytsak. Os serviços secretos ucranianos trabalharam durante seis meses antes de proceder a prisão do suspeito.

De acordo com Grytsak, os ucranianos não tinham a intenção de divulgar a prisão até o final do Euro 2016, mas não foram forçados depois da informação chegar à imprensa.

De acordo com fontes policiais francesas, Lorrain, de 25 anos, um desconhecido para a polícia francesa, trabalha como inseminador numa cooperativa agrícola no Baixo Reno, no leste da França.

Uma investigação foi aberta na França e confiada ao departamento central de luta contra o crime organizado (OCLCO) e ao serviço regional da polícia judiciária (SRPJ) de Nancy.

Uma busca foi realizada na casa do cidadão francês em Nant-le-Petit, uma aldeia em Meuse, com 80 habitantes.

"(A busca) não revelou nada em particular. Uma camisola com a sigla de um grupo de extrema-direita foi apreendida", disse uma fonte policial.

Questionado hoje pela agência de notícias francesa AFP, o prefeito de Nant-le Petit, Dominique Pensalfini-Demorise, disse que o rapaz era "agradável com os vizinhos, inteligente e amigável, que estava sempre disposto a ajudar".

O Euro 2016 vai decorrer em França de 10 de junho a 10 de julho deste ano.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.