sicnot

Perfil

Mundo

Talibãs ganham 17,6M€ por ano com exploração de minas no Afeganistão

Os talibãs e outros grupos armados ganham cerca 17,6 milhões de euros por ano através da exploração de minas de lápis-lazúli no Afeganistão, segundo um relatório hoje divulgado.

Os talibãs e outros grupos armados ganham cerca 17,6 milhões de euros por ano através da exploração de minas de lápis-lazúli no Afeganistão.

Os talibãs e outros grupos armados ganham cerca 17,6 milhões de euros por ano através da exploração de minas de lápis-lazúli no Afeganistão.

© Mohammad Ismail / Reuters

O documento, elaborado pela organização humanitária Global Witness, é o resultado de uma investigação de dois anos.

Segundo o relatório, a extração desta pedra semipreciosa é um dos principais catalisadores de "conflitos" naquele país.

"As minas na região rochosa de Badakhshan são um dos ativos mais valiosos dos afegãos, um tesouro nacional que deveria servir como um poderoso recurso para apoiar o desenvolvimento", assinalou a organização humanitária, com sede no Reino Unido.

O lápis-lazúli está a dar, no entanto, "milhões de dólares em financiamento a grupos armados, rebeldes e influentes", frisou a Global Witness, acrescentando que perante tal cenário estas minas "representam não só uma oportunidade perdida, mas uma ameaça para todo o país".

A organização indicou que existem dois líderes locais naquela região, ambos vinculados à política nacional e aos talibãs, que mantêm uma "competição violenta" para garantir o controlo destes recursos.

"Segundo estimativas aproximadas, mas plausíveis, as receitas que vão parar a estes líderes locais e aos talibãs apenas numa área reduzida de Badakhshan são comparáveis com a receita total declarada pelo governo para o setor dos recursos naturais no Afeganistão", indicou a mesma organização.

Na prática, os talibãs controlam "grande parte das receitas" procedentes da exploração das minas de lápis-lazúli, situação que "ilustra os perigos" que enfrenta aquele país, acrescentou a Global Witness.

O mesmo documento precisou que as reservas mineiras afegãs podiam gerar, em teoria, cerca de 1,7 mil milhões de euros por ano, recursos financeiros que deviam contribuir para o crescimento económico do país e para uma independência gradual face à ajuda externa.

Porém, estes recursos "estão a ter um propósito contrário" no Afeganistão e tornaram-se numa fonte de "conflitos e corrupção".

No relatório hoje publicado a organização humanitária lamentou ainda que a "urgência" de uma reforma do setor mineiro não esteja entre as prioridades do governo afegão, pedindo às autoridades de Cabul que considerem esta questão como um assunto "prioritário".

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.