sicnot

Perfil

Mundo

Talibãs ganham 17,6M€ por ano com exploração de minas no Afeganistão

Os talibãs e outros grupos armados ganham cerca 17,6 milhões de euros por ano através da exploração de minas de lápis-lazúli no Afeganistão, segundo um relatório hoje divulgado.

Os talibãs e outros grupos armados ganham cerca 17,6 milhões de euros por ano através da exploração de minas de lápis-lazúli no Afeganistão.

Os talibãs e outros grupos armados ganham cerca 17,6 milhões de euros por ano através da exploração de minas de lápis-lazúli no Afeganistão.

© Mohammad Ismail / Reuters

O documento, elaborado pela organização humanitária Global Witness, é o resultado de uma investigação de dois anos.

Segundo o relatório, a extração desta pedra semipreciosa é um dos principais catalisadores de "conflitos" naquele país.

"As minas na região rochosa de Badakhshan são um dos ativos mais valiosos dos afegãos, um tesouro nacional que deveria servir como um poderoso recurso para apoiar o desenvolvimento", assinalou a organização humanitária, com sede no Reino Unido.

O lápis-lazúli está a dar, no entanto, "milhões de dólares em financiamento a grupos armados, rebeldes e influentes", frisou a Global Witness, acrescentando que perante tal cenário estas minas "representam não só uma oportunidade perdida, mas uma ameaça para todo o país".

A organização indicou que existem dois líderes locais naquela região, ambos vinculados à política nacional e aos talibãs, que mantêm uma "competição violenta" para garantir o controlo destes recursos.

"Segundo estimativas aproximadas, mas plausíveis, as receitas que vão parar a estes líderes locais e aos talibãs apenas numa área reduzida de Badakhshan são comparáveis com a receita total declarada pelo governo para o setor dos recursos naturais no Afeganistão", indicou a mesma organização.

Na prática, os talibãs controlam "grande parte das receitas" procedentes da exploração das minas de lápis-lazúli, situação que "ilustra os perigos" que enfrenta aquele país, acrescentou a Global Witness.

O mesmo documento precisou que as reservas mineiras afegãs podiam gerar, em teoria, cerca de 1,7 mil milhões de euros por ano, recursos financeiros que deviam contribuir para o crescimento económico do país e para uma independência gradual face à ajuda externa.

Porém, estes recursos "estão a ter um propósito contrário" no Afeganistão e tornaram-se numa fonte de "conflitos e corrupção".

No relatório hoje publicado a organização humanitária lamentou ainda que a "urgência" de uma reforma do setor mineiro não esteja entre as prioridades do governo afegão, pedindo às autoridades de Cabul que considerem esta questão como um assunto "prioritário".

Lusa

  • Quase 200 queixas por dia sobre serviços de saúde em 2017
    1:46

    País

    Foram apresentadas, em 2017, quase 200 queixas por dia sobre o funcionamento dos serviços de saúde públicos e privados. As questões administrativas e os tempos de espera foram as principais razões das mais de 70 mil reclamações recebidas pela Entidade Reguladora da Saúde.

  • Fim de semana com chuva e descida da temperatura

    País

    A chuva regressa hoje a Portugal continental e permanece pelo menos até ao início da semana, prevendo-se ainda uma descida da temperatura máxima entre 04 a 06 graus Celsius, disse à Lusa a meteorologista Cristina Simões.

  • Tribunal pede documentos sobre o BES ao Banco de Portugal

    Economia

    O Tribunal Administrativo de Lisboa deu esta quinta-feira ao Banco de Portugal 20 dias para entregar as ata das reuniões das 48 horas antes da resolução do BES. O regulador da banca foi chamado a prestar esclarecimentos sobre a queda do Banco Espírito Santo, em 2014.

  • 45 anos de Partido Socialista
    3:31

    País

    O PS completou 45 anos esta quinta-feira. Acaso ou não, a festa aconteceu um dia depois de terem ficado concluídos dois acordos com o PSD que fazem renascer o debate sobre o posicionamento ideológico do partido socialista.

  • Senado aprova à tangente novo diretor da NASA

    Mundo

    O Senado norte-americano aprovou na quinta-feira, à tangente, a nomeação do novo diretor da agência espacial norte-americana, com 50 votos favoráveis contra 49, colocando à frente da NASA um cético das alterações climáticas, adiantou a Efe.