sicnot

Perfil

Mundo

Bashar al-Assad inflexível quanto às negociações de paz

O presidente sírio, Bashar al-Assad, assumiu hoje uma posição inflexível quanto ao processo de paz de Genebra entre o regime e a oposição, afirmando que as negociações "ainda não começaram realmente".

Presidente sírio Bashar al-Assad

Presidente sírio Bashar al-Assad

© Sana Sana / Reuters

"Não aceitaremos incluir nenhum assunto que não esteja nos princípios fundamentais para facilitar uma solução política na Síria que apresentámos à ONU. Simplesmente não o aceitaremos", disse Assad, num discurso no novo parlamento de Damasco, referindo-se ao documento apresentado em março pelo chefe da delegação governamental síria, Bashar al-Jaafari.

O documento frisa que a Síria será governada por um "governo de unidade", não fazendo qualquer menção ao "órgão de governo transitório" sem a participação de Assad exigido pela oposição.

Bashar al-Assad disse não ter recebido qualquer resposta da ONU relativamente a esse documento, pelo que, para o governo, "as negociações ainda não começaram realmente".

As três rondas de negociações indiretas entre o regime e a oposição realizadas este ano em Genebra não produziram qualquer resultado.

O presidente sírio falava ao parlamento pela primeira vez desde as eleições gerais de 13 de abril, realizadas apenas nas zonas controladas pelo governo e consideradas ilegítimas pela oposição interna e internacional.

"O povo sírio voltou a surpreender o mundo mais uma vez com uma participação eleitoral sem precedentes e um número de candidatos sem precedentes", disse.

O Partido Baas da Síria, no poder há mais de meio século, e os seus aliados elegeram a maioria dos deputados, segundo os resultados oficiais.

A taxa de participação oficial foi de 57,56% dos eleitores.

Bashar al-Assad afirmou por outro lado que a trégua entre o regime e os rebeldes que entrou em vigor em fevereiro permitiu às suas forças concentrar-se em frentes importantes como a cidade de Palmira, tomada ao Daesh em março.

"Da mesma forma que libertámos Palmira, libertaremos cada centímetro do nosso território, porque a nossa única opção é a vitória", disse, fortemente aplaudido pelos deputados.

O presidente sírio afirmou que a vitória sobre o terrorismo é possível com o apoio de países como o Irão, a Rússia e a China e de aliados como o movimento xiita libanês Hezbollah, "que permanecem ao lado dos justos e defendem os oprimidos dos opressores".

A última vez que Bashar al-Assad se dirigiu ao parlamento foi em junho de 2012, na abertura da anterior legislatura.

Com Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.