sicnot

Perfil

Mundo

Cantora de Hong Kong acusa Lancôme de cancelar concerto devido às suas convicções políticas

A cantora de Hong Kong Denise Ho pediu explicações à marca francesa Lancôme depois de a empresa de cosméticos ter cancelado um concerto da artista, alegadamente devido às suas convicções políticas, segundo a emissora pública de Hong Kong, RTHK.

Reuters

O concerto promocional, agendado para dia 19, foi cancelado após reações negativas nas redes sociais da China continental ao apoio de Ho ao Tibete e a movimentos pró-democracia como o Occupy Central (de Hong Kong).

Em comunicado, Ho considerou a situação "extremamente lamentável", indicando estar a ser castigada por defender os seus direitos e afirmar as suas convicções.

No domingo, a Lancôme disse que o evento foi cancelado devido a "possíveis motivos de segurança".

A reação dos internautas chineses surgiu em resposta a uma publicação do jornal de Pequim Global Times, no microblogue Weibo. O jornal questionou o evento, acusando a empresa de cooperar com "veneno de Hong Kong" e "veneno do Tibete", ou seja, com uma apoiante da autonomia de Hong Kong e do Tibete.

Alguns internautas chineses começaram, então, a apelar a um boicote à Lancôme. Após o anúncio do cancelamento do concerto, surgiram novas ameaças de boicote, desta feita do 'outro lado da barricada'.

O Gobal Times reagiu à notícia, dizendo que a marca francesa revelou "sabedoria" ao cancelar o concerto. Para o jornal, "os motivos são óbvios": "Aparentemente, a Lancôme tomou mais em consideração os sentimentos do público da China continental, porque a China representa um mercado muito maior do que Hong Kong".

"Como empresa, deve procurar ganhos comerciais, uma sabedoria que deve revelar em situações complexas", escreveu.

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • População afetada pelo fogo tenta repor o que as chamas destruíram
    1:54
  • "Juntos por Todos" hoje no palco em Lisboa
  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

  • Esforço dos contribuintes para salvar bancos deve ser minimizado, diz Draghi
    1:49