sicnot

Perfil

Mundo

Cheias em França vão custar entre 900 e 1.400 milhões de euros

As cheias ocorridas nos últimos dias no norte de França, em particular na região de Paris, com o transbordar do rio Sena e de alguns dos seus afluentes, terão um custo para as seguradoras de entre 900 e 1.400 milhões de euros.

© Pascal Rossignol / Reuters

Esta estimativa, que ainda é provisória, foi hoje feita pela Associação Francesa de Seguros (AFA) que, em comunicado, indicou ter recebido até agora 77.000 declarações de sinistro e que pensar que estas poderão chegar a 150.000.

As principais incertezas prendem-se com as condições e o ritmo a que os rios que transbordaram voltarão aos seus caudais, explicou a AFA.

As seguradoras vão aceitar as declarações de sinistro até ao próximo dia 30, ou seja, além dos dez dias do prazo regulamentar e comprometeram-se a avançar indemnizações às pessoas em maior necessidade, em particular àquelas cujas principais residências ficaram inabitáveis durante mais de 24 horas.

A AFA disse também que quem sofreu prejuízos inferiores a 3.000 euros receberá a indemnização em dois meses, depois de recebida a avaliação completa do sinistro.

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, indicou hoje que o fundo de emergência para as inundações que o seu Governo criou, com uma quantia inicial de 30 milhões de euros, distribuirá cerca de 500 euros por família afetada.

O museu do Louvre que, como outros dos que estão junto ao Sena, em Paris, fechou a título preventivo quando o caudal do rio estava a subir de nível, na semana passada, indicou hoje que os quatro dias de encerramento representam um prejuízo de cerca de 1,5 milhões de euros, correspondentes a menos 120.000 visitantes.

Por outro lado, as fortes tempestades que esta tarde sacudiram o norte de França, desde a região de Lille até à Alsácia, na fronteira alemã, causaram a morte de um homem, que se afogou ao ser surpreendido pela subida do nível da água numa estrada em Mondicourt, no departamento de Pas de Calais.

O vice-governador de Pas de Calais contou na estação de rádio France Info que a direção do vento se deslocou de sul para norte e que o falecido, um septuagenário, tinha tentado circular num troço de estrada inundado, de onde não conseguiu escapar.

No total, 16 departamentos estavam hoje à tarde em alerta laranja devido a tempestades que, em alguns locais, foram de granizo, como em Estrasburgo, no nordeste do país.

Lusa

  • França enfrenta as piores cheias em mais de 50 anos
    4:08

    Mundo

    França está a viver as piores cheias em mais de 50 anos. Em Paris, o nível da água do Rio Sena continua a aumentar. A capital francesa está em risco máximo de inundações. A uma semana do início do Europeu de futebol, há museus, escolas, linhas de metro que estão encerradas.

  • Chuvas em França podem piorar até ao meio-dia de sexta-feira
    1:41

    Mundo

    As chuvas em França podem vir a piorar e a cair com mais intensidade até ao meio-dia desta sexta-feira, segundo explica o correspondente do Expresso em Paris. Daniel Ribeiro diz também que, além da capital francesa, várias zonas do centro do país estão a ser afetadas pelas inundações.

  • Sena está a baixar lentamente
    1:46

    Mundo

    Os temporais da última semana provocaram, pelo menos, 18 mortos em França, na Alemanha, Bélgica e Roménia.Foi o mês de maio mais chuvoso dos últimos 100 anos na Europa Central.

  • Caudal do rio Sena parou de subir mas ainda há zonas submersas
    2:25

    Mundo

    Em Paris, o caudal do rio Sena deixou finalmente de subir mas as inundações causadas pelas fortes chuvadas dos últimos dias ainda ameaçam o centro de França. O mau tempo já provocou quatro mortos e 24 feridos. As autoridades acreditam que o pior já passou mas serão precisos pelo menos 10 dias para França voltar ao normal.

  • Zonas nos arredores de Paris são as mais afetadas pelas cheias
    1:37

    Mundo

    A França continua inundada devido à subida do nível das águas do rio Sena. A SIC falou hoje com um vereador na Câmara de Paris que relata que neste momento os barcos não podem navegar, há vários restaurantes inundados e danificados. Contudo, garante que as situações mais preocupantes, que têm originado mais chamadas para as autoridades, são fora da capital francesa.

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".