sicnot

Perfil

Mundo

Estudo confirma aborígenes como os primeiros habitantes da Austrália

Uma nova análise a restos de esqueletos do Homem do Mungo, que habitou uma zona remota da Austrália há 40.000 anos, confirmou que os aborígenes foram os primeiros habitantes do país, segundo um estudo publicado hoje.

reuters

O estudo, publicado na revista científica PNAS, refuta outra investigação de 2001, que indicava que os restos do Homem do Mungo, os mais antigos encontrados no país, provinham de uma linhagem extinta de seres humanos que ocuparam a Austrália antes dos aborígenes.

"Agora podemos, com uma melhor tecnologia, repetir o que o estudo original descobriu e assim provar que a evidência de que os aborígenes não foram os primeiros australianos não tem fundamento", disse o autor do estudo, David Lambert, da Universidade Griffith, na Austrália.

O estudo anterior, realizado por uma equipa liderada por Greg Adcock, da Universidade Nacional Australiana, analisou o ADN dos restos fósseis do Homem do Mungo, um caçador-recolector que viveu na região dos lagos de Willandra, numa zona remota do oeste do estado de Nova Gales do Sul.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.