sicnot

Perfil

Mundo

Estudo confirma aborígenes como os primeiros habitantes da Austrália

Uma nova análise a restos de esqueletos do Homem do Mungo, que habitou uma zona remota da Austrália há 40.000 anos, confirmou que os aborígenes foram os primeiros habitantes do país, segundo um estudo publicado hoje.

reuters

O estudo, publicado na revista científica PNAS, refuta outra investigação de 2001, que indicava que os restos do Homem do Mungo, os mais antigos encontrados no país, provinham de uma linhagem extinta de seres humanos que ocuparam a Austrália antes dos aborígenes.

"Agora podemos, com uma melhor tecnologia, repetir o que o estudo original descobriu e assim provar que a evidência de que os aborígenes não foram os primeiros australianos não tem fundamento", disse o autor do estudo, David Lambert, da Universidade Griffith, na Austrália.

O estudo anterior, realizado por uma equipa liderada por Greg Adcock, da Universidade Nacional Australiana, analisou o ADN dos restos fósseis do Homem do Mungo, um caçador-recolector que viveu na região dos lagos de Willandra, numa zona remota do oeste do estado de Nova Gales do Sul.

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".