sicnot

Perfil

Mundo

Hillary Clinton com delegados suficientes para nomeação democrata

A ex-secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton conseguiu na segunda-feira o número de delegados necessários para ser confirmada como candidata do Partido Democrata nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, segundo uma contagem de diversos 'media'.

© Mike Blake / Reuters

Depois da vitória no domingo em Porto Rico contra o senador Bernie Sanders e com os novos apoios dos "superdelegados" (que têm a liberdade de apoiar quem quiserem) arrecadados nos últimos dias, Hillary Clinton superou, segundo os cálculos da televisão NBC, os 2.383 delegados necessários para a nomeação.

Isto significa que a ex-secretária de Estado e ex-primeira dama será provavelmente nomeada candidata na convenção que os democratas realizam em julho em Filadélfia (estado da Pensilvânia) e que irá enfrentar nas eleições o candidato oficioso do Partido Republicano, Donald Trump.

"Segundo as informações, estamos perante um momento histórico, sem precedentes. Mas temos trabalho para fazer, não é? Nós ainda temos seis eleições amanhã [hoje, terça-feira] e vamos continuar a bater-nos por cada voto, sobretudo aqui na Califórnia", disse Hillary Clinton em Long Beach, perto de Los Angeles, evitando um discurso triunfalista.

Em declarações aos jornalistas, afirmou: "Terei mais coisas a dizer amanhã à noite".

"Os meus apoiantes são apaixonados", afirmou, especialmente "porque pensam que ter uma mulher presidente enviará uma mensagem forte, uma messagem histórica sobre o tipo de país que somos e os nossos valores".

"É muito comovente", acrescentou.

Já a candidatura de Bernie Sanders, adversário de Hillary Clinton para a nomeação do Partido Democrata para as eleições presidenciais norte-americanas, contestou que a ex-secretária de Estado já tenha o apoio garantido.

"É lamentável que os meios de comunicação social, num julgamento precipitado, estejam a ignorar a declaração clara do Comité Nacional Democrata de que é errado contar os votos dos 'superdelegados' antes de eles realmente votarem na convenção deste verão", disse em comunicado Michael Briggs, porta-voz de Bernie Sanders.

Clinton "não tem e não vai ter o número necessário de delegados para garantir a nomeação", acrescentou, dizendo que Sanders vai procurar "convencer os superdelegados de que ele é, de longe, o mais forte candidato contra Donald Trump", do Partido Republicano.

As eleições presidenciais norte-americanas realizam-se em novembro.

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.