sicnot

Perfil

Mundo

Human Rights Watch acusa capacetes azuis do Congo de matarem 18 pessoas

A organização Human Rights Watch (HRW) acusou hoje os capacetes azuis da República do Congo de terem assassinado, entre dezembro de 2013 e junho de 2015, 18 pessoas, incluindo mulheres e crianças, na República Centro-Africana.

© Siegfried Modola / Reuters

Segundo a HRW, foram encontrados, numa vala comum, exumada em fevereiro deste ano, os corpos de 12 pessoas que foram detidas em março de 2014.

A organização com sede em Nova Iorque assegura que esta descoberta refuta a versão dos capacetes azuis que asseguravam que estas pessoas tinham escapado.

A HRW afirmou ter documentado a morte por tortura de dois líderes "anti-balaka", de dois suspeitos de pertencer a esse movimento e de dois civis que morreram por golpes provocados por militares congoleses.

"O aparecimento de 12 corpos é uma prova contundente de um ultrajante crime por parte de capacetes azuis congoleses, que foram enviados para proteger as pessoas, não para as atacar", afirmou em comunicado o investigador da organização, Lewis Mudge.

Segundo a HRW, as autoridades do Congo não tomaram medidas para garantir uma investigação credível ou para encontrar justiça para estes crimes.

A Organização das Nações Unidas (ONU) declarou hoje que foi chamada à atenção para este caso e que o tem estado a seguir desde 2015.

Regra geral, a ONU não dispõe de autoridade para julgar os capacetes azuis, que estão sob a jurisdição dos seus países de origem.

Numerosas organizações denunciaram, repetidamente, que esta situação faz com que numerosos abusos cometidos pelas forças da paz não obtenham castigo.

Nos últimos meses, tropas internacionais inseridas na República Centro-Africana foram acusadas de repetidos abusos sexuais, em muitos casos a menores, que levaram a que a ONU tomasse medidas.

Lusa

  • Marinha e Exército dão luz verde ao Aeroporto do Montijo

    País

    De acordo com a edição deste domingo do Diário de Notícias, o Exército e a Marinha já comunicaram à Força Aérea disponibilidade para desocupar parcialmente a base aérea e o Montijo se transformar num num aeroporto complementar ao de Lisboa.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.