sicnot

Perfil

Mundo

Human Rights Watch acusa capacetes azuis do Congo de matarem 18 pessoas

A organização Human Rights Watch (HRW) acusou hoje os capacetes azuis da República do Congo de terem assassinado, entre dezembro de 2013 e junho de 2015, 18 pessoas, incluindo mulheres e crianças, na República Centro-Africana.

© Siegfried Modola / Reuters

Segundo a HRW, foram encontrados, numa vala comum, exumada em fevereiro deste ano, os corpos de 12 pessoas que foram detidas em março de 2014.

A organização com sede em Nova Iorque assegura que esta descoberta refuta a versão dos capacetes azuis que asseguravam que estas pessoas tinham escapado.

A HRW afirmou ter documentado a morte por tortura de dois líderes "anti-balaka", de dois suspeitos de pertencer a esse movimento e de dois civis que morreram por golpes provocados por militares congoleses.

"O aparecimento de 12 corpos é uma prova contundente de um ultrajante crime por parte de capacetes azuis congoleses, que foram enviados para proteger as pessoas, não para as atacar", afirmou em comunicado o investigador da organização, Lewis Mudge.

Segundo a HRW, as autoridades do Congo não tomaram medidas para garantir uma investigação credível ou para encontrar justiça para estes crimes.

A Organização das Nações Unidas (ONU) declarou hoje que foi chamada à atenção para este caso e que o tem estado a seguir desde 2015.

Regra geral, a ONU não dispõe de autoridade para julgar os capacetes azuis, que estão sob a jurisdição dos seus países de origem.

Numerosas organizações denunciaram, repetidamente, que esta situação faz com que numerosos abusos cometidos pelas forças da paz não obtenham castigo.

Nos últimos meses, tropas internacionais inseridas na República Centro-Africana foram acusadas de repetidos abusos sexuais, em muitos casos a menores, que levaram a que a ONU tomasse medidas.

Lusa

  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC