sicnot

Perfil

Mundo

Uivos de lobos em coro podem revelar existência de crias na alcateia

Os uivos de lobos em coro podem revelar a existência de crias na alcateia, durante a sua época de reprodução, segundo um estudo das universidades espanholas de Valência e Oviedo.

Reuters

O trabalho, publicado na revista Plos One, avaliou, através de modelos matemáticos, a utilidade da análise a gravações de uivos de lobos em coro, para identificar a presença de crias nas alcateias, segundo Vicente Palacios, do Instituto Cavanilles de Biodiversidade e Biologia Evolutiva da Universidade de Valência (UV).

As alcateias emitem vocalizações conhecidas como uivos, em coro, permitindo que estes sons revelem a existência de crias durante a época de reprodução, e por isso, são úteis para determinar o estado reprodutivo das alcateias, assegura Vicente Palacios, num comunicado divulgado hoje pela UV.

A estrutura acústica destes coros é complexa, tornando a distinção da presença de crias, através de uivos, difícil, mesmo para observadores experientes, afirma Vicente Palacios.

Segundo o investigador, para chegar a estas conclusões, foram analisados 110 coros de uivos emitidos por lobos ibéricos, sobre os quais se conhecia a composição do grupo, incluindo a presença ou ausência de crias.

O estudo revelou que a distribuição da energia acústica dos coros se concentra em frequências mais altas quando as crias participam.

Assim, com a criação de modelos matemáticos, foi possível identificar com êxito a presença de crias nos uivos em coro, num total de 94% dos casos analisados.

O investigador José V. López-Bao, da Unidade Mista de Investigação em Biodiversidade, da Universidade de Oviedo, indicou que a análise quantitativa dos uivos em coro "é um método objetivo, preciso e de fácil implementação e independente da experiencia do observador".

"Todas estas vantagens são especialmente relevantes no caso de seguimento de populações de lobos, a grande escala ou quando existem muitos observadores envolvidos", assinala López-Bao.

Esta metodologia foi aplicada recentemente no seguimento de populações de lobos levadas a cabo no Parque Nacional dos Picos da Europa, na comunidade autónoma da Galiza e na estimação nacional de alcateias, realizada entre 2012 e 2014, promovida e coordenada pelo Ministério da Agricultura, Alimentação e Meio Ambiente.

O trabalho foi realizado pelo Instituto de Cavanilles da Biodiversidade e Biologia Evolutiva da UV, pela Unidade Mista de Investigação em Biodiversidade e pelo Departamento de Matemáticas, ambos da Universidade de Oviedo, mas também, pela empresa Arena S.L

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.