sicnot

Perfil

Mundo

Cientistas observam "tempestades" intergalácticas que alimentam buracos negros

Uma equipa de cientistas internacionais observou, pela primeira vez, como a partir de um grupo de nuvens frias e densas cheias de gás intergaláctico "chove" sobre um buraco negro supermassivo situado no centro de uma galáxia.

© NASA NASA / Reuters

Os resultados do estudo, publicado na revista "Nature", modificam a visão que os astrónomos tinham sobre o processo conhecido como "acreção", ou seja, a alimentação dos buracos negros supermassivos, afirmou hoje o Observatório Europeu Austral (ESO), em comunicado.

A equipa de cientistas, liderada pelo astrónomo da Universidade de Yale em New Haven (Estados Unidos) Grant Tremblay, observou graças ao telescópio ALMA, situado no Chile, que quando as condições meteorológicas intergalácticas são favoráveis, os buracos negros podem também alimentar-se "de nuvens gigantes de gás molecular muito frio em forma de aguaceiros granulosos".

"É emocionante pensar que podemos estar a observar este aguaceiro que abrange toda a galáxia e que alimenta um buraco negro cuja massa é cerca de 300 milhões de vezes maior que a do sol", afirmou Tremblay.

A equipa, composta por 25 investigadores de todo o mundo, utilizou o telescópio ALMA para estudar um conjunto de 50 galáxias excecionalmente brilhantes, conhecido como Abell 2597, que se encontra a mil milhões de anos-luz da Terra.

Segundo explicou o ESO, trata-se de um evento meteorológico cósmico sem precedentes, pois até ao momento os astrónomos acreditavam que nas galáxias maiores os buracos negros supermassivos se alimentavam de gás quente ionizado e de uma forma lenta e constante.

O que estes cientistas descobriram é, como afirmou Tremblay, que este gás, que está muito quente, pode esfriar rapidamente, condensar-se e precipitar-se de uma forma muito similar ao que ocorre na atmosfera da terra quando o ar quente e húmido gera nuvens de chuva.

Os astrónomos planeiam agora utilizar o telescópio ALMA para procurar estas "tempestades" noutras galáxias com o objetivo de determinar se esta "meteorologia cósmica" é tão comum como sugere a teoria atual.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.