sicnot

Perfil

Mundo

Desconhecimento do fundo oceânico implica custos elevados

A falta de mapeamento e conhecimento do fundo dos oceanos está a causar custos elevados na exploração petrolífera, na gestão das pescas e também nas investigações de acidentes aéreos, alertaram hoje vários especialistas.

© Regis Duvignau / Reuters

No Dia Mundial dos Oceanos, a Organização Hidrográfica Internacional (IHO, na sigla em inglês) disse que há mapas de menos de dez por cento do fundo oceânico com profundidade superior a 200 metros, apesar de dois terços do planeta Terra serem cobertos de água.

Yves Guillam, do IHO do Mónaco, explicou que os governos não investem no mapeamento dos oceanos porque não há ganhos económicos a curto prazo.

Patrick Poupon, diretor do grupo francês "Pole Mer Bretagne Atlantique", que pretende desenvolver a economia marítima, afirmou à agência noticiosa France Presse que um melhor mapeamento iria ajudar a pesca e exploração mineral e petrolífera, como também a modelagem de ondas, uma ferramenta importante para perceber o impacto de tsunamis.

Na estimativa de um geofísico da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA, o mapeamento da topografia do mar profundo levaria cinco anos e custaria entre dois e três mil milhões de dólares, se estiverem 40 navios a trabalhar.

Walter Smith lembrou que, apesar de serem quantidades elevadas, são menores do que o que a NASA está a investir na sonda que pretende enviar a uma lua de Júpiter, Europa.

O geofísico explicou que é necessária uma previsão precisa do movimento das correntes marítimas na superfície quando se trata das investigações a afogamentos, naufrágios ou queda de aviões no mar e acrescentou que o fraco conhecimento impede a eficácia das investigações.

O problema foi demonstrado em 2009, quando um avião da Air France com 228 passageiros e tripulantes caiu no oceano Atlântico, durante o voo de Rio de Janeiro para Paris. As caixas pretas só foram recuperadas ao fim de quase dois anos, estando a cerca de quatro mil metros de profundidade.

Também o voo MH370 da Malaysia Airlines de março de 2014 permanece um mistério enquanto as caixas pretas não forem encontradas. O avião, que fazia a rota Kuala Lumpur -- Beijing, desapareceu dos radares com 239 pessoas a bordo.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.