sicnot

Perfil

Mundo

Polícia afastado do caso de violação coletiva no Rio de Janeiro é exonerado

O delegado que tinha sido afastado da liderança da investigação à violação coletiva de uma adolescente brasileira no Rio de Janeiro, sendo acusado pela vítima de tê-la culpado pelo abuso, foi exonerado do cargo.

A informação da exoneração de Alessandro Thiers da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática consta de um comunicado da Polícia Civil, divulgado internamente na terça-feira e citado pela imprensa brasileira.

Segundo o jornal O Globo, que cita fontes da polícia, o delegado pediu para ser dispensado.

O Ministério Público do Rio de Janeiro tinha solicitado a abertura de um inquérito para investigar a conduta de Alessandro Thiers no caso da violação coletiva de uma jovem de 16 anos no dia 22 de maio.

Segundo declarações da jovem, ela foi violada por 33 homens armados, que depois publicaram nas redes sociais vídeos e fotos do crime, que servem de prova.

De acordo com a defesa da vítima, que pediu o afastamento de Alessandro Thiers do caso, ele chegou a perguntar à adolescente se ela "tinha o hábito" de participar em orgias.

O caso da violação da adolescente por mais de 30 homens abalou o Brasil e colocou o país a discutir a "cultura da violação".

Segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, uma mulher é violada a cada onze minutos no país.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.