sicnot

Perfil

Mundo

Preso polícia brasileiro famoso por acompanhar detidos do Lava Jato

O polícia Newton Ishii, apelidado de "Japonês da Federal" e que ficou conhecido por acompanhar presos da Operação Lava Jato, foi preso terça-feira em Curitiba, pelo crime de facilitação de contrabando.

Newton Ishii e José Dirceu

Newton Ishii e José Dirceu

© Rodolfo Buhrer / Reuters

Newton Ishii e Marcelo Odebrecht

Newton Ishii e Marcelo Odebrecht

© Rodolfo Buhrer / Reuters

Atualmente no cargo de chefe substituto de Operações Especiais da Polícia Federal em Curitiba, Newton Ishii é responsável pela logística e escolta de presos.

Ao conhecer a decisão judicial, Newton Ishii apresentou-se espontaneamente na delegacia.

Segundo o advogado do agente, Oswaldo de Mello Junior, citado pelo portal de Internet G1, Newton Ishii foi condenado a quatro anos, dois meses e 21 dias no âmbito da Operação Sucuri, que descobriu o envolvimento de agentes na entrada de contrabando no país, pela fronteira com o Paraguai, em Foz do Iguaçu.

"O Superior Tribunal de Justiça (STJ) denegou um recurso que nós tínhamos recorrido na semana passada", disse o advogado.

Com a deflagração da Operação Lava Jato, que investiga o maior esquema de corrupção no país, envolvendo dezenas de políticas e várias empresas, Newton Ishii tornou-se famoso, ao aparecer ao lado de empreiteiros, operadores financeiros e políticos detidos.

A fama traduziu-se, inclusive, num tema de uma música, assinada pelo advogado e compositor Thiago Vasconcelos de Souza, que inclui o seguinte trecho: "Ai meu Deus, me dei mal. Bateu a minha porta, o japonês da Federal".

A detenção do agente está a ser abordada nas redes sociais, sendo alvo de piadas, como "japonês da federal diante do espelho falando 'are you talking to me'" (estás a falar comigo, em inglês).

Lusa

  • Portugueses e espanhóis protestam em Salamanca contra mina de urânio
    0:38

    País

    O Bloco de esquerda desafia o Governo português a exigir às autoridades espanholas uma avaliação do impacto ambiental da mina de urânio a 40 quilómetros da fronteira portuguesa. Este caso está gerar contestação entre os ambientalistas. Várias associações portuguesas participaram este sábado numa manifestação em Salamanca. A Quercus diz-se preocupada com o impacto da mina de urânio no território português.

  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de três armas da PSP, recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avança hoje que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • As gravações que provam que as autoridades conheciam o perfil violento de Nikolas Cruz
    1:35