sicnot

Perfil

Mundo

UE espera que negociações na Venezuela resultem em soluções pacíficas para crise

A chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Federica Mogherini, disse hoje esperar que as negociações em curso na Venezuela resultem em "soluções pacíficas e que respeitem a democracia".

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Mogherini, que na terça-feira à noite debateu com o ex-primeiro-ministro espanhol José Zapatero os esforços que este, juntamente com os antigos presidentes da República Dominicana Leonel Fernandez e do Panamá Martín Torrijos, desenvolve para facilitar o diálogo entre o Governo de Caracas e a oposição venezuelana.

"Concordámos que, na situação política, social e económica que o país atravessa, as conversações oferecem uma oportunidade preciosa para se encontrarem soluções pacíficas que respeitem a democracia e os princípios constitucionais", salientou Mogherini, num comunicado.

A Alta Representante para a Política Externa da UE reiterou ainda a disponibilidade do bloco europeu para "apoiar os esforços de mediação e explorar e usar todos os instrumentos para este fim".

As autoridades eleitorais venezuelanas confirmaram terça-feira a maioria das 1,8 milhões de assinaturas apresentadas pela oposição a pedir a realização de um referendo revogatório do mandato do Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

O referendo é o primeiro passo de um longo processo que pode levar a realização de novas eleições no país.

A oposição do centro-direita está envolvida numa corrida contrarrelógio, porque se a consulta ocorrer até 10 de janeiro de 2017, pode provocar novas eleições, ao passo que, se for depois, Maduro seria substituído simplesmente pelo seu vice-Presidente.

A Venezuela está à beira da implosão, dividida pela guerra política entre o parlamento, dominado pela oposição, e o Governo, em contexto de exasperação popular resultante dos problemas económicos daquele país produtor de petróleo.

Apesar de consultas de opinião indicarem que sete em cada dez desejam a saída antecipada do Presidente, eleito até 2019, a mobilização parece contida pelo forte dispositivo policial, pelas preocupações de um quotidiano dominado pela procura de comida e pelas divisões da oposição.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos. Depois de um curso intensivo de português durante três meses, os jovens vão iniciar o ano letivo em vários pontos do país.

  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57