sicnot

Perfil

Mundo

UE espera que negociações na Venezuela resultem em soluções pacíficas para crise

A chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Federica Mogherini, disse hoje esperar que as negociações em curso na Venezuela resultem em "soluções pacíficas e que respeitem a democracia".

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Mogherini, que na terça-feira à noite debateu com o ex-primeiro-ministro espanhol José Zapatero os esforços que este, juntamente com os antigos presidentes da República Dominicana Leonel Fernandez e do Panamá Martín Torrijos, desenvolve para facilitar o diálogo entre o Governo de Caracas e a oposição venezuelana.

"Concordámos que, na situação política, social e económica que o país atravessa, as conversações oferecem uma oportunidade preciosa para se encontrarem soluções pacíficas que respeitem a democracia e os princípios constitucionais", salientou Mogherini, num comunicado.

A Alta Representante para a Política Externa da UE reiterou ainda a disponibilidade do bloco europeu para "apoiar os esforços de mediação e explorar e usar todos os instrumentos para este fim".

As autoridades eleitorais venezuelanas confirmaram terça-feira a maioria das 1,8 milhões de assinaturas apresentadas pela oposição a pedir a realização de um referendo revogatório do mandato do Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

O referendo é o primeiro passo de um longo processo que pode levar a realização de novas eleições no país.

A oposição do centro-direita está envolvida numa corrida contrarrelógio, porque se a consulta ocorrer até 10 de janeiro de 2017, pode provocar novas eleições, ao passo que, se for depois, Maduro seria substituído simplesmente pelo seu vice-Presidente.

A Venezuela está à beira da implosão, dividida pela guerra política entre o parlamento, dominado pela oposição, e o Governo, em contexto de exasperação popular resultante dos problemas económicos daquele país produtor de petróleo.

Apesar de consultas de opinião indicarem que sete em cada dez desejam a saída antecipada do Presidente, eleito até 2019, a mobilização parece contida pelo forte dispositivo policial, pelas preocupações de um quotidiano dominado pela procura de comida e pelas divisões da oposição.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.