sicnot

Perfil

Mundo

Empresário português acusado no Brasil de corrupção e lavagem de dinheiro

O empresário português Idalécio Oliveira, foi acusado hoje no Brasil pelo juiz responsável pela Operação Lava Jato, Sérgio Moro, pelos crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

REUTERS

Idalécio Oliveira é proprietário da Companie Beninoise des Hydrocarbures Sarl (CBH), e segundo a justiça brasileira, uma empresa sua esteve envolvida num esquema de subornos para a exploração de petróleo no Benim pela brasileira Petrobras.

No mesmo caso, Sérgio Moro também aceitou a denúncia contra Cláudia Cordeiro Cruz, esposa do Presidente da Câmara dos Deputados brasileira afastado, Eduardo Cunha, pelos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas, e de Jorge Luiz Zelada, ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, pelo crime de corrupção passiva.

João Augusto Rezende Henriques, operador que representava os interesses do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), partido de Eduardo Cunha, no esquema, foi igualmente acusado por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

A Operação Lava Jato investiga o maior caso de corrupção da história do país, envolvendo dezenas de políticos e várias empresas, entre as quais a petrolífera estatal Petrobras.

Segundo um comunicado da assessoria da Procuradoria da República no Estado do Paraná, os procuradores comprovaram o pagamento de subornos num total de 10 milhões de dólares (8,837 milhões de euros) para a aquisição pela Petrobras, de 50 por cento do bloco 04 de um campo de exploração de petróleo na costa do Benim, na África, em 2011.

"O negócio foi fechado em 30,5 milhões de euros, o que significa que quase um terço do valor total foi destinado a pagamento de vantagem indevida", avançou a assessoria, segundo a qual Eduardo Cunha foi um dos beneficiários, tendo atuado "de modo consistente para que o negócio fosse fechado".

Foi estruturado um esquema para que o dinheiro de "passasse por diversas contas em nome de "laranjas" (empresas offshores sediadas em paraísos fiscais) antes de chegar nos destinatários finais", lê-se na nota.

Segundo a Procuradoria, em maio de 2011, a estatal brasileira transferiu os 34,5 milhões de dólares (30,5 milhões de euros) para a petroleira CBH, que controlava o campo de petróleo na África, e esta empresa, no mesmo dia, transferiu 31 milhões de dólares (27,4 milhões de euros) para a Lusitania Petroleum, uma holding de propriedade de Idalécio Oliveira.

Mais tarde, parte do dinheiro foi enviada para uma offshore de João Augusto Rezende Henriques, e, mais tarde, houve transferências para contas ligadas a Eduardo Cunha e à sua esposa.

Segundo as investigações, ainda não se sabe a quem pertencem outras offshores para onde foi enviada outra parte do dinheiro indevido, "havendo suspeitas de que outros agentes públicos receberam propinas nessa operação".

"As contas de Eduardo Cunha escondidas no exterior eram utilizadas para, em segredo a fim de garantir sua impunidade, receber e movimentar subornos, produtos de crimes contra a administração pública praticados pelo deputado", afirmou a Procuradoria.

Lusa

  • Genro de Donald Trump depõe hoje no Senado

    Mundo

    Jared Kushner, genro do Presidente dos EUA Donald Trump, vai hoje depor à porta fechada perante o comité dos serviços de inteligência do Senado, a câmara alta do Congresso norte-americano.

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15