sicnot

Perfil

Mundo

Partido dos Trabalhadores do Curdistão reivindica atentado contra polícia turca

O Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) reivindicou hoje o atentado de quarta-feira na Turquia que provocou seis mortos incluindo três polícias.

© Murad Sezer / Reuters

"Foi perpetrado um ataque suicida de grande envergadura contra a sede da polícia do Estado fascista em Midyat por um dos nossos camaradas", referiu em comunicado a ala militar do movimento independentista curdo, que desde 1984 combate o Estado central turco.

O ataque em Midyat, cidade do sudeste da Turquia, registou-se um dia após o atentado em Istambul, também com viatura armadilhada, que provocou 11 mortos, incluindo seis polícias. Esta ação não foi reivindicada, mas o Presidente turco Recep Tayyip Erdogan atribuiu-a de imediato ao PKK.

Numa primeira reação o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, rejeitou a possibilidade de retomar o diálogo com a formação curda, num país onde têm ocorrido diversos ataques ligados aos grupos jihadistas ou ao recomeço do conflito curdo, que provocaram dezenas de mortos e afetaram seriamente o turismo, setor decisivo da economia.

Em paralelo, a polícia de intervenção turca disparou hoje balas de borracha para dispersar uma manifestação em Istambul com centenas de pessoas que decidiram demonstrar o seu apoio ao líder do principal partido da oposição, e que se diz ameaçado de morte.

Kemal Kiliçdaroglu, chefe do Partido republicano do povo (CHP, social-democrata) disse que foi atirado na sua direcção um cartucho de bala quando na quarta-feira assistia aos funerais dos polícias mortos no atentado da véspera em Istambul.

Este incidente foi interpretado pelos responsáveis do CHP como uma ameaça de morte.

O sudeste da Turquia tem vindo a registar combates diários entre forças de segurança turcas e rebeldes, desde o reinício das hostilidades no verão de 2015, e que comprometeram as negociações de paz entre Ancara e o PKK para pôr termo a uma rebelião que desde 1984 provocou cerca de 40.000 votos.

As operações efetuadas pelo exército para neutralizar os militantes do PKK, que ergueram barricadas em diversas localidades desta região com maioria de população curda e proclamaram uma "revolta urbana", provocou centenas de mortos entre a população civil e o êxodo de milhares de pessoas.

Centenas de rebeldes foram mortos pelas forças de segurança, que também registaram numerosas perdas nas suas fileiras.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51