sicnot

Perfil

Mundo

Partido dos Trabalhadores do Curdistão reivindica atentado contra polícia turca

O Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) reivindicou hoje o atentado de quarta-feira na Turquia que provocou seis mortos incluindo três polícias.

© Murad Sezer / Reuters

"Foi perpetrado um ataque suicida de grande envergadura contra a sede da polícia do Estado fascista em Midyat por um dos nossos camaradas", referiu em comunicado a ala militar do movimento independentista curdo, que desde 1984 combate o Estado central turco.

O ataque em Midyat, cidade do sudeste da Turquia, registou-se um dia após o atentado em Istambul, também com viatura armadilhada, que provocou 11 mortos, incluindo seis polícias. Esta ação não foi reivindicada, mas o Presidente turco Recep Tayyip Erdogan atribuiu-a de imediato ao PKK.

Numa primeira reação o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, rejeitou a possibilidade de retomar o diálogo com a formação curda, num país onde têm ocorrido diversos ataques ligados aos grupos jihadistas ou ao recomeço do conflito curdo, que provocaram dezenas de mortos e afetaram seriamente o turismo, setor decisivo da economia.

Em paralelo, a polícia de intervenção turca disparou hoje balas de borracha para dispersar uma manifestação em Istambul com centenas de pessoas que decidiram demonstrar o seu apoio ao líder do principal partido da oposição, e que se diz ameaçado de morte.

Kemal Kiliçdaroglu, chefe do Partido republicano do povo (CHP, social-democrata) disse que foi atirado na sua direcção um cartucho de bala quando na quarta-feira assistia aos funerais dos polícias mortos no atentado da véspera em Istambul.

Este incidente foi interpretado pelos responsáveis do CHP como uma ameaça de morte.

O sudeste da Turquia tem vindo a registar combates diários entre forças de segurança turcas e rebeldes, desde o reinício das hostilidades no verão de 2015, e que comprometeram as negociações de paz entre Ancara e o PKK para pôr termo a uma rebelião que desde 1984 provocou cerca de 40.000 votos.

As operações efetuadas pelo exército para neutralizar os militantes do PKK, que ergueram barricadas em diversas localidades desta região com maioria de população curda e proclamaram uma "revolta urbana", provocou centenas de mortos entre a população civil e o êxodo de milhares de pessoas.

Centenas de rebeldes foram mortos pelas forças de segurança, que também registaram numerosas perdas nas suas fileiras.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.