sicnot

Perfil

Mundo

Willy Brandt foi financiado secretamente pelos EUA durante Guerra Fria

O antigo chanceler alemão Willy Brandt beneficiou nos anos 1950, enquanto deputado e vereador de Berlim ocidental, de financiamentos secretos dos Estados Unidos para o ajudar a promover uma linha atlanticista, revelou hoje um académico norte-americano.

William A. Smith

De acordo com as investigações deste historiador, Scott Krause, efetuadas nos arquivos regionais de Berlim e apresentadas à imprensa, o responsável social-democrata recebeu durante o ano de 1950 a soma de 200.000 marcos das autoridades norte-americanas.

Washington queria assim, segundo os documentos encontrados pelo historiador, apoiar os esforços de Willy Brandt, então deputado e vereador de Berlim ocidental, para promover a integração da jovem República Federal da Alemanha (RFA) no campo ocidental, num momento em que a Guerra Fria estava no seu auge.

Esse cunho atlanticista era então muito contestado dentro do Partido Social-Democrata Alemão (SPD), opondo-se uma parte dos membros a um rearmamento da RFA e à sua aliança com os Estados Unidos.

"Sim, Willy Brandt aceitou pagamentos provenientes dos cofres norte-americanos. Mas é preciso interpretar isso no contexto da Guerra Fria e da democratização da Alemanha, tratava-se de um projeto comum", partilhado pelo jovem responsável político e pelos Estados Unidos, disse o historiador à agência de notícias alemã DPA.

Os 200.000 marcos alemães de que fala Scott Krause representavam uma quantia elevada na época, equivalente a um terço das quotas anuais recebidas pelo SPD em Berlim, segundo a revista semanária Der Spiegel.

O pagamento dessa verba foi camuflado através de sobrefaturações pela compra de equipamento no jornal local onde Brandt era, na altura, chefe de redação.

O historiador diz ter descoberto outros indícios nos arquivos relativos a pagamentos e ajudas eleitorais a favor de Willy Brandt.

A Fundação Willy Brandt, em Berlim, que apoiou a investigação do historiador norte-americano, rejeitou a ideia de que o antigo chanceler tenha sido corrompido por Washington, sublinhando que ele, na época, defendia por convicção a atracagem da Alemanha ao Ocidente.

"Ninguém se deixou comprar, pois deixar-se comprar quer dizer fazer qualquer coisa em troca de dinheiro que, de outro modo, não se faria", disse um dos seus representantes, Bernd Rother.

Durante a sua carreira política, Willy Brandt foi várias vezes confrontado com acusações de financiamento pela CIA (Agência Central de Serviços Secretos norte-americana), em particular durante os anos 1970, que ele na altura sempre refutou.

Foi presidente da câmara de Berlim ocidental entre 1957 e 1966, depois chanceler da RFA entre 1969 e 1974, forçado a demitir-se após a descoberta de um espião da Alemanha de leste no seu gabinete, e também presidente do SPD.

Lusa

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John Mccain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "É muito importante ceder à tentação de se abolir a liberdade"
    1:06
  • Menos casos de sida em Portugal
    1:44