sicnot

Perfil

Mundo

Willy Brandt foi financiado secretamente pelos EUA durante Guerra Fria

O antigo chanceler alemão Willy Brandt beneficiou nos anos 1950, enquanto deputado e vereador de Berlim ocidental, de financiamentos secretos dos Estados Unidos para o ajudar a promover uma linha atlanticista, revelou hoje um académico norte-americano.

William A. Smith

De acordo com as investigações deste historiador, Scott Krause, efetuadas nos arquivos regionais de Berlim e apresentadas à imprensa, o responsável social-democrata recebeu durante o ano de 1950 a soma de 200.000 marcos das autoridades norte-americanas.

Washington queria assim, segundo os documentos encontrados pelo historiador, apoiar os esforços de Willy Brandt, então deputado e vereador de Berlim ocidental, para promover a integração da jovem República Federal da Alemanha (RFA) no campo ocidental, num momento em que a Guerra Fria estava no seu auge.

Esse cunho atlanticista era então muito contestado dentro do Partido Social-Democrata Alemão (SPD), opondo-se uma parte dos membros a um rearmamento da RFA e à sua aliança com os Estados Unidos.

"Sim, Willy Brandt aceitou pagamentos provenientes dos cofres norte-americanos. Mas é preciso interpretar isso no contexto da Guerra Fria e da democratização da Alemanha, tratava-se de um projeto comum", partilhado pelo jovem responsável político e pelos Estados Unidos, disse o historiador à agência de notícias alemã DPA.

Os 200.000 marcos alemães de que fala Scott Krause representavam uma quantia elevada na época, equivalente a um terço das quotas anuais recebidas pelo SPD em Berlim, segundo a revista semanária Der Spiegel.

O pagamento dessa verba foi camuflado através de sobrefaturações pela compra de equipamento no jornal local onde Brandt era, na altura, chefe de redação.

O historiador diz ter descoberto outros indícios nos arquivos relativos a pagamentos e ajudas eleitorais a favor de Willy Brandt.

A Fundação Willy Brandt, em Berlim, que apoiou a investigação do historiador norte-americano, rejeitou a ideia de que o antigo chanceler tenha sido corrompido por Washington, sublinhando que ele, na época, defendia por convicção a atracagem da Alemanha ao Ocidente.

"Ninguém se deixou comprar, pois deixar-se comprar quer dizer fazer qualquer coisa em troca de dinheiro que, de outro modo, não se faria", disse um dos seus representantes, Bernd Rother.

Durante a sua carreira política, Willy Brandt foi várias vezes confrontado com acusações de financiamento pela CIA (Agência Central de Serviços Secretos norte-americana), em particular durante os anos 1970, que ele na altura sempre refutou.

Foi presidente da câmara de Berlim ocidental entre 1957 e 1966, depois chanceler da RFA entre 1969 e 1974, forçado a demitir-se após a descoberta de um espião da Alemanha de leste no seu gabinete, e também presidente do SPD.

Lusa

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Football Leaks

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Football Leaks

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.