sicnot

Perfil

Mundo

Willy Brandt foi financiado secretamente pelos EUA durante Guerra Fria

O antigo chanceler alemão Willy Brandt beneficiou nos anos 1950, enquanto deputado e vereador de Berlim ocidental, de financiamentos secretos dos Estados Unidos para o ajudar a promover uma linha atlanticista, revelou hoje um académico norte-americano.

William A. Smith

De acordo com as investigações deste historiador, Scott Krause, efetuadas nos arquivos regionais de Berlim e apresentadas à imprensa, o responsável social-democrata recebeu durante o ano de 1950 a soma de 200.000 marcos das autoridades norte-americanas.

Washington queria assim, segundo os documentos encontrados pelo historiador, apoiar os esforços de Willy Brandt, então deputado e vereador de Berlim ocidental, para promover a integração da jovem República Federal da Alemanha (RFA) no campo ocidental, num momento em que a Guerra Fria estava no seu auge.

Esse cunho atlanticista era então muito contestado dentro do Partido Social-Democrata Alemão (SPD), opondo-se uma parte dos membros a um rearmamento da RFA e à sua aliança com os Estados Unidos.

"Sim, Willy Brandt aceitou pagamentos provenientes dos cofres norte-americanos. Mas é preciso interpretar isso no contexto da Guerra Fria e da democratização da Alemanha, tratava-se de um projeto comum", partilhado pelo jovem responsável político e pelos Estados Unidos, disse o historiador à agência de notícias alemã DPA.

Os 200.000 marcos alemães de que fala Scott Krause representavam uma quantia elevada na época, equivalente a um terço das quotas anuais recebidas pelo SPD em Berlim, segundo a revista semanária Der Spiegel.

O pagamento dessa verba foi camuflado através de sobrefaturações pela compra de equipamento no jornal local onde Brandt era, na altura, chefe de redação.

O historiador diz ter descoberto outros indícios nos arquivos relativos a pagamentos e ajudas eleitorais a favor de Willy Brandt.

A Fundação Willy Brandt, em Berlim, que apoiou a investigação do historiador norte-americano, rejeitou a ideia de que o antigo chanceler tenha sido corrompido por Washington, sublinhando que ele, na época, defendia por convicção a atracagem da Alemanha ao Ocidente.

"Ninguém se deixou comprar, pois deixar-se comprar quer dizer fazer qualquer coisa em troca de dinheiro que, de outro modo, não se faria", disse um dos seus representantes, Bernd Rother.

Durante a sua carreira política, Willy Brandt foi várias vezes confrontado com acusações de financiamento pela CIA (Agência Central de Serviços Secretos norte-americana), em particular durante os anos 1970, que ele na altura sempre refutou.

Foi presidente da câmara de Berlim ocidental entre 1957 e 1966, depois chanceler da RFA entre 1969 e 1974, forçado a demitir-se após a descoberta de um espião da Alemanha de leste no seu gabinete, e também presidente do SPD.

Lusa

  • Ex-diretor do Fisco desmente Núncio sobre transferências para offshores

    Economia

    O ex-diretor geral da Autoridade Tributária, José de Azevedo Pereira, acusou esta sexta-feira o ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, de não ter autorizado a divulgação das polémicas transferências para paraísos fiscais, isto depois do antigo governante ter dito que a decisão pela não publicação tinha sido da responsabilidade do Fisco.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.