sicnot

Perfil

Mundo

Ataque do Estado Islâmico no Afeganistão fez 18 mortos e 12 feridos

Pelo menos 18 pessoas morreram, treze das quais pertencentes ao grupo Estado Islâmico (EI), e outras 12 ficaram feridas num ataque dos extremistas contra uma esquadra de polícia no oeste do Afeganistão, afirmou hoje uma fonte oficial.

© Parwiz Parwiz / Reuters

"Os membros do Estado Islâmico lançaram na noite de sexta-feira um ataque complexo (em diferentes etapas) contra uma esquadra da polícia no distrito de Haska Mena, sendo que 13 rebeldes morreram e seis ficaram feridos", disse o porta-voz do governador da província de Nangarhar, Attaullah Khogyani.

A fonte disse que no ataque morreram cinco polícias, sendo um deles o chefe do distrito, e seis agentes da polícia ficaram feridos.

O caso ocorreu no mesmo dia em que, também em Nangarhar, um outro ataque a uma mesquita matou três pessoas e feriu outras 55 depois do rebentamento de uma bomba.

Os dois ataques aconteceram na primeira sexta-feira do ramadão, período sagrado para os muçulmanos. A província de Nangarhar tem sido objeto de uma grande ofensiva do Governo afegão para acabar com a presença do EI.

Os insurgentes ganharam terreno em várias áreas do Afeganistão após o final da missão da NATO em 2014 e, desde o final de 2015, controlam quase um terço do território, de acordo com Washington, que mantém cerca de 9.800 soldados no país em missões de consulta e contraterrorismo.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.