sicnot

Perfil

Mundo

EUA alertam para insegurança nas viagens ao Haiti devido a crise política

Os Estados Unidos da América renovaram na sexta-feira um alerta em relação às viagens ao Haiti por causa da instabilidade política no país e do clima de segurança "incerto".

© Andres Martinez Casares / Reu

O Departamento de Estado norte-americano informou que o alerta se manterá até fevereiro do próximo ano, ou seja, após a realização da eventual segunda volta das eleições nacionais, a 08 de janeiro.

O primeiro alerta das autoridades norte-americanas foi acionado em março passado.

"O inacabado processo eleitoral presidencial do Haiti provocou um clima político e de segurança mais incerto, com possíveis manifestações que provocam alterações na circulação e no acesso a locais chave em Port-au-Prince", considera o Departamento de Estado, num comunicado.

Os Estados Unidos alertam ainda para a possibilidade de manifestações a 14 de junho, quando a Assembleia Nacional vai realizar uma votação sobre o mandato presidencial provisório atual.

A 06 de junho, uma comissão de verificação eleitoral decidiu anular os resultados das últimas eleições, realizadas a 25 de outubro, devido às fraudes.

Segundo o organismo, o número de votos não validados quase excedeu o número de votos legítimos.

Os candidatos que obtiveram mais votos foram Jovenel Moise, do Partido Haitiano Tet Kale (PHTK, no poder), e Jude Celestin, da Liga Alternativa para o Progresso e Emancipação Haitiana (LAPEH, oposição).

Centenas de apoiantes do partido haitiano Tet Kale, do antigo Presidente Michel Martelly, protestaram nas ruas do Haiti depois de se conhecer a decisão de anulação dos resultados.

Celestin recusou participar na segunda volta, então marcada para 27 de dezembro, devido "às graves irregularidades" no processo eleitoral, o que contribuiu também para que o Conselho Eleitoral Provisório tomasse a decisão, também naquela altura, de suspender as eleições.

O Haiti vive em crise política desde que o processo eleitoral foi suspenso em janeiro, devido a acusações da oposição na altura, denunciando um "golpe de Estado eleitoral" alegadamente fomentado pelo ex-presidente Michel Martelly.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • CDS avança com moção de censura ao Governo

    País

    A líder do CDS anunciou hoje que o partido vai apresentar uma moção de censura ao Governo, na sequência dos incêndios que fizeram 37 mortos desde domingo, quatro meses depois da tragédia de Pedrógão Grande.

    Em atualização

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • Há uma semana que as florestas ardem na Califórnia
    1:34