sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 20 mortos em ataque do Daesh a santuário xiita na Síria

Pelo menos 20 pessoas morreram depois de bombistas suicidas se fazerem explodir perto de um templo xiita nas proximidades da capital da Síria, num ataque já reivindicado pelo grupo Daesh.

© Omar Sanadiki / Reuters

A agência de notícias oficial Sana referiu que os dois suicidas, um deles num carro, atacaram na entrada do santuário de Sayyida Zeinab, que é reverenciado pelos xiitas em todo o mundo.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) divulgou que pelo menos 20 pessoas foram mortas, incluindo 13 civis, e mais de 30 ficaram feridas nas explosões.

Já a agência de notícias Sana afirmou que pelo menos 12 pessoas foram mortas e outras 55 ficaram feridas.

O ataque foi reivindicado através da agência de notícias Amaq, que divulga os comunicados do Estado IslâmicoI, referindo ainda que o atentado foi realizado por três bombistas suicidas.

O santuário, que fica a cerca de 10 quilómetros ao sul do centro de Damasco, é fortemente vigiado por forças pró-Governo, mas tem sido alvo de vários ataques do Daesh.

O canal de televisão oficial Al-Ikhbariya da Síria mostrou imagens de carros queimados e cobertos por fumo negro nas proximidades do santuário.

Nos últimos meses, o santuário foi atacado outras vezes pelo Estado Islâmico, deixando centenas de mortos e feridos, a maioria civis.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.