sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 12 milhões de vacinas contra a febre-amarela enviadas para Angola

Mais de 12 milhões de doses de vacinas contra a febre-amarela estão a caminho de Angola para reforçar a prevenção e combate à epidemia que afetou quase 3.000 pessoas em seis meses e que provocou 328 mortos.

© Karoly Arvai / Reuters

A informação consta do mais recente relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), consultado hoje pela Lusa, e que indica que entre 05 de dezembro - início da epidemia em Luanda - e 08 de junho foram registados pelas autoridades de saúde angolanas 2.954 casos suspeitos de febre-amarela no país, dos quais 819 foram confirmados em laboratório.

"A 09 de junho, 12,68 milhões de doses [da vacina] foram enviadas para Angola", refere o relatório, dando conta que os custos da aquisição foram suportados pelo Ministério da Saúde angolano e instituições internacionais que trabalham com a OMS na área da vacinação, como a Gavi, CERF e ICG.

O ministro da Saúde de Angola, Luís Gomes Sambo, anunciou em a 23 de maio, em Genebra, querer vacinar cerca de 24 milhões de pessoas, ou seja "toda a população-alvo" da atual epidemia de febre-amarela, mas admitiu que não havia no mercado vacinas suficientes.

Segundo o ministro, que discursava perante a Assembleia Mundial de Saúde, cerca de 12 milhões de vacinas foram adquiridas e oito milhões de pessoas já foram vacinadas no país, essencialmente em Luanda.

De acordo com informação anterior das autoridades de saúde, os primeiros casos foram registados em dezembro em indivíduos com idades entre os 22 e 34 anos, de nacionalidade eritreia, residentes aproximadamente há oito meses no município de Viana, arredores de Luanda, e que entraram no país supostamente com boletins de vacina falsos (Angola exige vacinação contra febre-amarela).

Esta epidemia já conta com casos suspeitos em 16 das 18 províncias angolanas e a OMS alerta para o risco real de "propagação" a países vizinhos, além da República Democrática do Congo (RDCongo), onde já foram confirmados 51 casos relacionados com a crise de febre-amarela angolana. O Quénia tem dois casos relacionados e a China 11, enquanto em São Tomé e Príncipe não foi confirmada a suspeita de dois casos de febre-amarela importada de Angola, segundo a OMS.

Aquela organização das Nações Unidades alerta que "persiste" a transmissão local da doença em Luanda, apesar de quase oito milhões de pessoas terem sido vacinadas já este ano.

Outras 10 províncias angolanas já apresentam transmissão local de febre-amarela, agravando a preocupação da OMS, que admite as dificuldades da vigilância para detetar novos focos da doença no país.

A OMS reitera que a epidemia de febre-amarela em Angola - que está a acompanhar diretamente no terreno -, e agora na RDCongo, está "largamente concentrada nas grandes cidades", mas que há um "grande risco de propagação" local e para outros países, como a Namíbia e a Zâmbia, apelando por isso à vacinação de todos os viajantes e trabalhadores estrangeiros nesta região do continente africano.

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.