sicnot

Perfil

Mundo

Oposição venezuelana insiste que referendo revogatório será em 2016

A oposição venezuelana disse este sábado que o referendo à revogação do mandado do Chefe de Estado será ainda em 2016, isto pouco depois de o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, admitir publicamente que poderia submeter-se à consulta popular, mas no próximo ano.

Henrique Capriles Radonski

Henrique Capriles Radonski

© STRINGER Venezuela / Reuters

"O revogatório será este ano e ponto! Ratifico o que foi dito, o povo assinou impecavelmente!" escreveu, no Twitter, o ex-candidato presidencial Henrique Capriles Radonski, em reação às declarações do Presidente da Venezuela.

O líder da oposição frisou ainda que "em todo o caso a validação" está calendarizada pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE).

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, admitiu este sábado que poderá submeter-se a um referendo revogatório do seu mandado, mas apenas em 2017 e não em 2016, como pretende a oposição, e se forem cumpridos os requisitos estabelecidos na lei.

"Se cumprirem com os requisitos, o referendo será no próximo ano e se não cumprirem com os requisitos não haverá referendo, aconteça o que acontecer", disse.

As autoridades eleitorais venezuelanas anunciaram na quinta-feira que os signatários do pedido de um referendo para destituir o Presidente Nicolás Maduro devem validar a sua assinatura pessoalmente e com a impressão digital.

Segundo disse o reitor do CNE, Luís Emílio Rondón, "cerca de 1.352.000 registos foram validados" e seguem-se agora "as etapas de exclusão e validação", que se realizarão entre 20 e 24 de junho.

O CNE invalidou 600 mil assinaturas, entre elas as de vários parlamentares da oposição e a do ex-candidato presidencial Henrique Capriles Radonski, situação que está a originar um grande movimento de cidadãos, que teriam assinado a solicitude e perguntam, através do Twitter, onde estão as suas assinaturas.

"Imorais e corruptos! (Agora) Mais que nunca lutarei pelo revogatório e será este 2016! Vão-se (embora)", escreveu o próprio Capriles no Twitter, adicionando uma foto do resultado da consulta ao CNE, onde é possível ler-se "não assinante, este BI não se encontra assinando no processo de validação e exclusão do registo apresentado pelo partido MUD (Mesa de Unidade Democrática, aliança opositora)".

A oposição venezuelana entregou quase dois milhões de assinaturas ao CNE "manifestando a vontade" de submeter a revogação do mandato do Presidente a referendo. No entanto, eram apenas necessárias aproximadamente 200 mil assinaturas (1% dos eleitores).

Uma vez validadas estas assinaturas, com as respetivas impressões digitais, inicia-se outra etapa, em que a oposição terá de recolher e validar as assinaturas de 20% dos eleitores.

A oposição quer realizar o "referendo revogatório" ainda em 2016 e tem acusado o CNE de atrasar a calendarização das diferentes etapas do processo.

Se o referendo se realizar até 10 de janeiro de 2017 deverão ser convocadas novas eleições presidenciais, segundo a legislação venezuelana. Se o referendo for convocado para depois dessa data, o vice-presidente da Venezuela assumirá os destinos do país até 2019, quando termina o atual mandato presidencial.

Simpatizantes de Nicolás Maduro e ministros do seu Governo têm insistido que será impossível realizar o referendo ainda em 2016.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • FC Porto acusa Benfica de recorrer a serviços de "bruxaria"
    2:34

    Desporto

    Francisco J. Marques acusou o Benfica de recorrer a "bruxaria". O diretor de comunicação do FC Porto revelou uma troca de e-mails entre Luís Filipe Vieira e Armando Nhaga, suposto comissário nacional da polícia da Guiné-Bissau com a celebração de um contrato de prestação de serviços.

  • Francisco J. Marques promete continuar a revelar e-mails
    2:11

    Desporto

    Francisco J. Marques diz que a Polícia Judiciária sabe como o Futebol Clube do Porto teve acesso aos e-mails e desafia o Benfica a revelar os originais. O diretor de comunicação do clube portista revelou ainda que irá continuar a divulgar e-mails, já que isso não é incompatível com o segredo de Justiça.

  • Confirmada prisão dos portugueses que gravaram nome no portão de Auschwitz

    Mundo

    Dois adolescentes católicos portugueses foram condenados a um ano de prisão com pena suspensa, por terem gravado os nomes na porta da entrada principal de Auschwitz-Birkenau. O tribunal de primeira instância de Oswiecim já tinha condenado os jovens e o tribunal de Cracóvia confirmou esta quarta-feira a pena aplicada.

  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Quem é a mulher que diz ser filha de Salvador Dalí

    Cultura

    Maria Pilar Abel Martínez nasceu em 1956 e será o alegado fruto de um caso entre a sua mãe e Salvador Dalí. Um tribunal de Madrid ordenou a exumação do cadáver do pintor e a obtenção de amostras, de modo a determinar se a mulher espanhola é mesmo filha de Dalí.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.