sicnot

Perfil

Mundo

Único debate televisivo entre os quatro líderes espanhóis realiza-se hoje

O único debate televisivo entre os líderes das quatro principais forças políticas espanholas domina, hoje, o quarto dia da campanha para as eleições legislativas extraordinárias que vão tentar encontrar uma solução para o impasse político no país.

© Jon Nazca / Reuters

Mariano Rajoy (PP), Pedro Sánchez (PSOE), Pablo Iglesias (Unidos Podemos) e Albert Rivera (Ciudadanos) têm o confronto marcado para as 22:00 de Madrid (21:00 em Lisboa) e desde domingo que reduziram a sua atividade eleitoral ao mínimo para se prepararem para o debate.

A agenda da campanha eleitoral também seria, de qualquer forma hoje às 15:00 (14:00 de Lisboa), condicionada pelo primeiro jogo da seleção da Espanha no Campeonato Europeu de Futebol, contra a República Checa.

Mariano Rajoy, líder do PP (Partido Popular) de direita e presidente do governo de gestão, encara o debate com uma atitude construtiva e pretende fazer uma intervenção "positiva e propositiva", ao mesmo tempo que irá responder aos ataques esperados de todos os seus rivais.

O PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol) valoriza aquele que será o único debate de toda a campanha, mas considera que este "não será decisivo" porque "o risco de errar se dilui", acreditando que o formato a quatro é bom para o seu líder, Pedro Sanchez.

O responsável pela aliança Unidos Podemos (uma coligação de radicais de esquerda, comunistas, ecologistas e partidos regionais), Pablo Iglesias, encara o debate com calma e cautela, esperando poder convencer os espanhóis de que é a alternativa ao PP no poder.

O líder do Ciudadanos (liberal do centro), Albert Rivera, vai dar tudo por tudo para que a sua formação não seja vista como irrelevante num sistema político em evolução.

Os partidos políticos espanhóis não conseguiram chegar a um acordo para formar governo na sequência das eleições legislativas de dezembro de 2015.

As últimas sondagens continuam a dar uma vantagem ao PP (29,2%), mas a formação em maio da aliança Unidos Podemos (25,6) permitiu que esta força ultrapassasse o PSOE (21,2%) na intenção de votos dos eleitores.


Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.