sicnot

Perfil

Mundo

Companhia aérea islâmica impedida de voar

Seis meses depois de começar a operar, a companhia aérea islâmica da Malásia, Rayani Air, foi impedida de voar por falta de segurança e por problemas administrativos.

ap

ap

ap

ap

O Departamento de Aviação Civil revogou a licença da companhia aérea. A medida segue-se a três meses de suspensão, depois da companhia ter falhado as regulamentações de voo e depois de ter sido conduzida uma auditoria de segurança.

A companhia aérea tem recebido um rol de reclamações sobre consecutivos cancelamento de voos. Em abril, enfrentou ainda greve de pilotos, por atrasos no pagamento de salários.

A companhia chegou a emitir bilhetes de embarque escritos à mão, em voos entre Kuala Lumpur e Kuchingg, o que levantou ainda mais suspeitas sobre os procedimentos de segurança.

A Rayani Air foi lançada em dezembro do ano passado e adotava a sharia como política comercial. Só servia comida halal, o álcool era proibido, a tripulação vestia apenas roupa considerada "simples" e antes de qualquer descolagem er aobrigatório fazer as orações.

Na sua frota tinha dois boeings 737-400, capazes de transportar 180 passageiros, oito pilotos e 50 membros da tripulação.

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06