sicnot

Perfil

Mundo

ONU alerta para risco de 30 milhões de latino-americanos regressarem à pobreza

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) alertou esta terça-feira para a possibilidade de entre 25 e 30 milhões de latino-americanos regressarem à pobreza, empurrados pela desaceleração económica e pela falta de uma rede de políticas consistentes.

© Ivan Alvarado / Reuters

No relatório "Progresso multidimensional: bem estar para além das receitas", aquela agência da ONU assinala que as políticas públicas de há uma década - que se basearam na educação e na criação de emprego e que ajudaram a reduzir a pobreza, mas sem eliminarem a desigualdade social - são hoje insuficientes porque o mercado laboral está saturado e os países enfrentam restrições orçamentais.

Por outro lado, essas políticas não conseguiram gerar resiliência em dois em cada cinco latino-americanos (40% da população total), que hoje estão vulneráveis a uma qualquer situação adversa, como uma recessão económica, um desastre natural ou um problema de saúde.

"Corremos o risco de retroceder nas conquistas sociais que alcançámos nos últimos dez anos", afirmou a diretora do PNUD para a América Latina e o Caribe, Jessica Faeita, durante a apresentação do relatório na capital panamiana, citada pela agência espanhola EFE.

Entre 2003 e 2013, acrescentou Faeita, "a pirâmide social, laboral e económica da região transformou-se", com a saída de 72 milhões de latino-americanos da pobreza e com a entrada de 94 milhões de pessoas na classe média.

Esta tendência foi-se reduzindo nos últimos três anos, e, pela primeira vez numa década, aumentou o número absoluto de pessoas pobres, ou seja, pessoas que vivem com menos de 4 dólares (3,5 euros) por dia, de acordo com o PNUD.

O organismo das Nações Unidas estima que em 2016 sairão da pobreza menos cerca de 80% de pessoas do que nos anos do "boom" económico, ainda que a região não tenha entrado em crise e continue a crescer a uma taxa anual na ordem dos 4%.

"A América Latina foi muito inovadora nos últimos 15 anos em termos de política social e laboral, mas acreditamos que hoje, mais do mesmo - mais crescimento económico - não gerará necessariamente mais redução de pobreza ou desigualdade, ou pelo menos, ao mesmo ritmo do que no passado", afirmou, pelo seu lado, o principal autor do estudo, o economista-chefe do PNUD, George Gray.

Para evitar uma recaída económica de 30 milhões de pessoas, o organismo recomenda aos governos que repensem a noção tradicional de progresso e que abandonem as políticas públicas que tenham o Produto Interno Bruto (PIB) per capita como único indicador de desenvolvimento.

O PIB per capita, acrescenta o relatório, subvaloriza os ganhos sociais e não mede aspetos importantes para o bem estar como a segurança, a qualidade do emprego, a igualdade ou a preservação do meio ambiente, entre outros.

De acordo com o documento, as novas políticas públicas têm que aumentar a resiliência dos cidadãos e que centrar-se na melhoria de quatro fatores fundamentais: proteção social, cuidados de saúde, qualidade laboral e acesso a ativos físicos e financeiros como uma casa, um carro ou uma conta de poupança, que atuam como amortecedores durante as crises.

"Os fatores determinantes da saída da pobreza são diferentes dos fatores determinantes de recaída na pobreza", concluiu a diretora regional do PNUD.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.