sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro mamífero extinto por causa do ser humano

As alterações climáticas provocadas por ação do homem levaram à extinção de uma espécie, revelam cientistas australianos. Um pequeno roedor será assim o primeiro mamífero do planeta a estar extinto por causa do ser humano.

Melomys rubicola

Melomys rubicola

Governo do estado de Queensland

Melomys rubicola ou Bramble Cay melomys desapareceu completamente da pequena ilha situada na Grande Barreira de Coral, no estreito de Torres, que separa Austrália e Papua Nova Guiné, o único local onde existia em todo o mundo.

Este pequeno roedor, considera único mamífero autóctone da Grande Barreira de Coral, foi registado pela primeira vez por europeus em 1845 no recife de coral de Bramble - Bramble Cay. Em 1978, uma expedição científica detetou uma redução do número de animais para apenas algumas centenas, até que, em 2009, a espécie foi vista pela última vez. Em 2014, um relatório recomendou que o estatuto da espécie fosse alterado de "em perigo" para "extinto".

Esta será a primeira extinção de um mamífero causada pela mudança climática provocada pelo homem, indica o relatório elaborado por especialistas e publicado pelo governo do estado australiano de Queensland.

Natalie Waller e Luke Leung, autores do relatório, indicam que a causa para o desaparecimento foi o aumento no nível das águas. As sucessivas inundações na ilha mataram os animais e destruíram o seu habitat.

  • Marcelo reunido com Putin
    0:51

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa esteve esta manhã reunido com o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Moscovo. No encontro, esteve também presente o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Lavrov. A comitiva portuguesa considera que se trata de um encontro importante para as relações internacionais.

  • Chuva, trovoada e temperaturas até 35ºC para o São João

    País

    Os festejos do São João, celebrados na próxima noite de sábado e no domingo vão ser precedidos de aguaceiros, trovoadas e granizo, mas também de temperaturas até 35 graus, disse hoje à Lusa fonte do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).