sicnot

Perfil

Mundo

Dalai Lama e Obama reúnem-se à porta fechada na Casa Branca

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reuniu-se esta quarta-feira à porta fechada na Casa Branca, em Washington, com o líder espiritual tibetano, o Dalai Lama, encontro que foi contestado pelas autoridades chinesas.

Ashwini Bhatia

Desde que chegou à presidência norte-americana em 2009, Obama já recebeu o líder espiritual tibetano em três outras ocasiões. A última aconteceu em fevereiro de 2014.

O chefe de Estado norte-americano sempre tentou dar um caráter discreto aos encontros, que sempre decorreram à porta fechada e longe da comunicação social.

O último encontro entre os dois prémios Nobel da Paz teve lugar na sala de mapas e não na sala oval (o gabinete de trabalho do Presidente norte-americano), onde normalmente Barack Obama recebe outros chefes de Estado.

O dalai lama encontra-se em Washington, onde na terça-feira se reuniu com membros, democratas e republicanos, do Congresso norte-americano e proferiu um discurso no Instituto da Paz dos Estados Unidos.

Antes da intervenção, o líder espiritual tibetano pediu um minuto de silêncio pelas vítimas do tiroteio em Orlando (Florida) do passado fim de semana, que fez 49 mortos e mais de 50 feridos.

Antes do encontro na Casa Branca, um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Lu Kang, expressou a "firme oposição" de Pequim, afirmando que "o dalai lama não é só uma figura religiosa, é um exilado político que durante muito tempo tem estado envolvido em atividades separatistas anti-China sob a capa da religião".

Lu Kang reforçou que os assuntos relacionados com o Tibete são "questões internas da China" e que nenhum país tem o direito de interferir nessas matérias.

Pequim defende que o Tibete é uma parte inseparável da China e que o dalai lama é um líder dos separatistas tibetanos.

O líder espiritual tibetano e Nobel da Paz (1989) vive no exílio em Dharamsala (norte da Índia) há mais de 50 anos.

Lusa

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho.