sicnot

Perfil

Mundo

Detetados elevados níveis de radiação em escola no Japão

Uma escola secundária da região japonesa de Fukushima registou um nível de radiação até quatro vezes superior ao permitido devido ao armazenamento de resíduos contaminados pelo acidente nuclear, informou hoje o diário Asahi.

A Autoridade de Regulação Nuclear do Japão anunciou que vai reforçar as inspeções das centrais nucleares, seguindo recomendações da Agência Internacional da Energia Atómica (AEIA).

A Autoridade de Regulação Nuclear do Japão anunciou que vai reforçar as inspeções das centrais nucleares, seguindo recomendações da Agência Internacional da Energia Atómica (AEIA).

© Toru Hanai / Reuters

As instalações da escola, na localidade de Iizaka, a cerca de 68 quilómetros da central nuclear de Fukushima Daiichi, albergam cerca de 20 metros cúbicos de árvores e plantas contaminadas com isótopos radioativos, segundo o jornal.

O parque de estacionamento de bicicletas foi utilizado como armazém temporário destes resíduos durante a construção de um depósito permanente perto de Fukushima Daiichi, mas a paragem do projeto fez com que os materiais contaminados ali permanecessem.

O governo japonês é o responsável pela gestão e eliminação do material radioativo que ultrapasse os 8.000 becquereis por quilograma, segundo a legislação nipónica.

A pedido de um docente, laboratórios de Tóquio e de Fukushima realizaram análises e detetaram entre 27.000 e 33.000 becquereis por quilo nas amostras analisadas, um nível até quatro vezes acima do estipulado pela lei do país asiático.

O desastre provocado pelo sismo seguido de tsunami de 11 de março de 2011 provocou a fusão parcial de três reatores de Fukushima, que espalharam substâncias radioativas no nordeste do país.

A gestão de resíduos radioativos recolhidos nas proximidades da central é um dos problemas enfrentados pelas autoridades nipónicas após o acidente, devido à elevada dificuldade em encontrar terrenos apropriados para os depositar de forma segura e permanente.

Lusa

  • Japão, EUA e França vão trabalhar juntos para desmantelar central nuclear de Fukushima

    Mundo

    Japão, Estados Unidos e França vão trabalhar juntos para desmantelar a central nuclear de Fukushima. Os três governos vão trabalhar para desenvolver as tecnologias necessárias para retirar o combustível fundido da central nuclear. Na sexta-feira, dia 11, fez cinco anos desde que um terramoto, seguido de um tsunami, provocou a pior crise nucelar desde Chernobil em 86. Em cinco anos foi concluído apenas 10 por cento do trabalho para desmantelar a central.

  • Tsunami no Japão foi há 5 anos
    3:05

    Mundo

    Faz hoje 5 anos que o nordeste do Japão foi abalado por um sismo e tsunami que desencadearam o desastre nuclear de Fukushima. Este foi o pior desastre nuclear desde Chernobil.

  • Costa preparado para falar da renegociação da dívida no plano europeu
    2:24

    Economia

    O primeiro-ministro não quer quebrar com as regras impostas pela UE e não vai dar o primeiro passo na renegociação da dívida, mas estará na linha da frente quando Bruxelas ceder. Em entrevista à RTP, António Costa garante que o Governo cumpriu tudo aquilo que acordou com o presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

  • Benfica persegue oitavos da Liga dos Campeões

    Desporto

    O Benfica tenta hoje a qualificar-se para os oitavos de final da Liga dos Campeões de futebol, procurando uma vitória na receção ao Nápoles que lhe permita vencer o Grupo H e manter-se a salvo do perseguidor Besiktas.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.