sicnot

Perfil

Mundo

Dilma Rousseff favorável à realização de eleições se voltar à presidência

A Presidente brasileira com mandato suspenso, Dilma Rousseff, disse que é favorável à realização de novas eleições se voltar a assumir o cargo, de acordo com uma entrevista à imprensa estrangeira.

reuters

"Se forem necessárias novas eleições, eu serei sempre favorável. É preciso considerar uma coisa: não haverá democracia se o meu mandato não for restabelecido" e só então "poderemos consultar a população e ver o que fazer", afirmou, citada pela agência de notícias francesa AFP.

"A única maneira de interromper o mandato de um presidente é se o povo brasileiro o reclamar através de um plesbicito", acrescentou.

Dilma Rousseff já tinha admitido em entrevista à TV Brasil, na semana passada, a possibilidade de um plebiscito, caso consiga reverter a votação do processo de 'impeachment' (destituição) no Senado.

A Presidente brasileira disse estar a falar com políticos e líderes da sociedade civil para tentar um pacto político para salvar a sua carreira, escreve a AFP.

Dilma Rousseff tem o mandato suspenso, desde 12 de maio, por um período de até 180 dias, durante o qual será julgada pelos senadores.

Se dois terços dos senadores (54) votarem pelo seu afastamento definitivo, o Presidente interino, Michel Temer, assumirá permanentemente a Presidência.

Caso tal não aconteça, Dilma Rousseff volta a assumir o comando do país.

Durante a entrevista, Dilma Rousseff invocou também a organização dos Jogos Olímpicos do Rio (entre 05 e 21 de agosto), que se realizam pela primeira vez lugar num país da América Latina e com a cerimónia de abertura a ter lugar durante o período de suspensão da Presidente.

"Suponho que eles me vão convidar para assistir aos Jogos Olímpicos, mas se não me convidarem, eu vou subir a uma árvore e vou ver de binóculos", ironizou.

A Presidente brasileira lamentou que a organização deste evento desportivo planetário "apareça como o produto de um Governo provisório".

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras