sicnot

Perfil

Mundo

EUA avisam Rússia que a paciência em relação à Síria está a esgotar-se

O chefe da diplomacia norte-americana, John Kerry, avisou hoje a Rússia de que a paciência dos Estados Unidos em relação ao conflito na Síria e à saída do poder do Presidente Bashar al-Assad está a esgotar-se.

© Joshua Roberts / Reuters

"A Rússia precisa de compreender que a nossa paciência não é infinita, na verdade é muito limitada quanto ao facto Assad ser ou não responsabilizado", declarou o secretário de Estado norte-americano em Oslo, Noruega, após um encontro com o seu homólogo iraniano, Mohammad Javad Zarif.

Embora sejam os principais patrocinadores do processo de cessar-fogo e das conversações de paz, os Estados Unidos e a Rússia discordam numa questão crucial para a resolução do conflito sírio: o futuro de Assad e a sua eventual saída do poder.

Para Washington, a saída do Presidente sírio não é negociável, enquanto para Moscovo o afastamento de Bashar al-Assad deve ser votado e decidido apenas pelo povo sírio.

Os Estados Unidos estão "também preparados para responsabilizar membros da oposição" suspeitos de abusos ou quem "continua os combates em violação do cessar-fogo", prosseguiu John Kerry.

Três rondas de negociações indiretas entre o regime de Damasco e a oposição síria foram organizadas este ano em Genebra, na Suíça, sob a égide das Nações Unidas, mas nenhuma conduziu a qualquer progresso.

Nos últimos meses, o regime de Damasco intensificou a sua campanha militar contra o grupo extremista Daesh e os grupos rebeldes em redor de Alepo, a segunda maior cidade da Síria.

No início deste mês, Bashar al-Assad prometeu reconquistar "cada centímetro" do seu país, afastando desta forma a hipótese de existir um cessar-fogo duradouro naquele território.

"É muito claro que o fim das hostilidades está no limite e em risco e isso é crítico para que seja aplicado um cessar-fogo autêntico. Sabemos disso, não temos qualquer ilusão", referiu o chefe da diplomacia norte-americana.

"Este é um momento crítico e estamos a trabalhar muito para ver se na próxima semana ou duas semanas conseguimos alcançar um compromisso para um cessar-fogo mais pleno em todo o país e que permita o acesso à ajuda humanitária", afirmou John Kerry, acrescentando que se tal acontecer isso poderá representar "uma verdadeira oportunidade para reunir e começar a falar sobre a transição" política na Síria.

O conflito sírio já matou mais de 280 mil pessoas e fez milhões de deslocados desde o seu início em março de 2011.


Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.