sicnot

Perfil

Mundo

Ondas gravitacionais detetadas diretamente pela segunda vez

Uma equipa internacional de astrofísicos anunciou hoje, nos EUA, uma segunda deteção direta de ondas gravitacionais, quatro meses depois do anúncio da primeira observação do fenómeno, previsto há 100 anos, na Teoria da Relatividade Geral, do físico Albert Einstein.

© Gary Cameron / Reuters

A nova deteção, tal como a primeira, foi feita no Observatório de Interferometria Laser de Ondas Gravitacionais (Laser Interferometer Gravitational Wave Observatory, LIGO, na sigla em inglês), constituído por dois detetores idênticos, na forma de tubos com espelhos nas extremidades, situados a 3.000 quilómetros um do outro, nos Estados Unidos.

As ondas gravitacionais são pequenas ondulações no tecido espaço-tempo, provocadas pela deslocação de um corpo com massa, e que se propagam no Universo à velocidade da luz.

O fenómeno acontece com uma supernova (explosão de uma estrela em fim de vida) ou com duas estrelas de grande massa muito próximas uma da outra, assim como com a colisão de buracos negros (zonas do Universo das quais nada pode escapar, nem mesmo a luz, sendo por isso invisíveis).

As novas ondas gravitacionais, cuja deteção foi hoje anunciada, numa conferência em San Diego, nos Estados Unidos, foram produzidas por outra fusão de dois buracos negros, há 1,4 mil milhões de anos, precisaram astrofísicos.

O sinal das ondas foi captado a 26 de dezembro e, apesar de ser mais fraco do que o primeiro, detetado em setembro, mas anunciado posteriormente, em fevereiro deste ano, foi confirmado igualmente com 99,99 por cento de certeza.

Os dois buracos negros em causa tinham uma massa oito a 14 vezes maior do que a do Sol, para um diâmetro de menos de cem quilómetros.

A sua fusão gerou uma quantidade de energia equivalente à massa do Sol, que foi convertida em ondas gravitacionais, segundo os cientistas.

O novo sinal detetado pelo LIGO provém das 27 últimas órbitas de buracos negros, antes de colidirem.

Lusa

  • Cientistas chineses estudam ondas gravitacionais

    Mundo

    Cientistas chineses revelaram três projetos separados para investigar o fenómeno das ondas gravitacionais, avançou hoje a imprensa estatal, dias após os Estados Unidos terem revelado descobertas que confirmam sua existência.

  • Teoria de Einstein poderá ser confirmada hoje
    1:21

    Mundo

    Poderá estar por horas a confirmação da existência das ondas gravitacionais, defendida por Albert Einstein há um século, na famosa Teoria da Relatividade. As ondas gravitacionais são provocadas pelo movimento de grandes corpos celestes, um fenómeno, que caso seja comprovado, representa um importante passo na descoberta do cosmos.

  • Adeptos do Sporting gritaram "Joguem à bola"

    Desporto

    Depois da eliminação da Taça de Portugal, o autocarro do Sporting deixou o Estádio Municipal de Chaves em clima de grante tensão. Vários adeptos leoninos protestaram contra a equipa e pediram explicações.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.

  • Temperaturas negativas em várias zonas do país nos próximos dias
    1:57

    País

    O frio vai começar a fazer-se sentir nos próximos dias com as temperaturas a descerem para valores negativos em várias zonas do país. Em Lisboa, cinco estações de metro vão estar abertas durante a noite para albergar os sem-abrigo que também vão receber agasalhos e refeições quentes.

  • Medalha idêntica à de Anne Frank encontrada em campo nazi

    Mundo

    Um grupo de investigadores encontrou uma medalha praticamente igual à de Anne Frank, nas escavações ao campo nazi de extermínio Sobibor, na Polónia. Os especialistas do Memorial do Holocausto Yad Vashem em Israel acreditam que a medalha pertencia a Karoline Cohn, que pode ter conhecido Anne Frank.