sicnot

Perfil

Mundo

Pornografia dessensibiliza jovens

Muitos jovens vêem ou já viram pornografia online, o que está a preocupar especialistas no Reino Unido. Uma investigação patrocinada pela Comissão de Proteção de Menores do Reino Unido alerta para os perigos dos jovens ficarem "insensíveis" por verem estes conteúdos.

Arquivo Reuters

Na investigação, conduzida no Reino Unido, foram questionados 1001 jovens entre os 11 e os 16 anos: 65% dos adolescentes entre os 15 e os 16 já tinham visto pornografia e 28% dos jovens entre os 11 e os 12 afirmaram também já ter visto este tipo de conteúdos.

Mais de um terço dos rapazes entre os 13 e os 14 anos e um quinto dos rapazes entre os 11 e os 12 anos disseram que queriam copiar o comportamento que tinham observado.

O estudo identificou ainda mais rapazes que raparigas a assumirem terem visto pornografia online por escolha, e não por acidente - essencialmente em computadores portáteis ou smartphones.

Cerca de 14% dos inquiridos admitiram já ter tirado imagens suas, nus ou semi nus.

"Mesmo que muitos jovens digam que não virma pornografia online, é preocupante que muitos acabem por vê-la acidentalmente. Se os rapazes acreditarem que a pornografia representa a realidade das relações sexuais, isto pode levar a perspectivas desadequadas das raparigas e das mulheres. As raparigas podem sentir-se pressionadas a assumir estas interpretações irrealistas, e talvez controversas, do sexo", explica uma das autoras do estudo, Elena Martellozzo.

"Sabemos, pelas nossas pesquisas, que muitos jovens se sentem chocados, confusos ou enojados por aquilo que vêem, e é noso dever ajudá-los a questionar, desafiar e dar-lhe sentido", acrescenta Anne Longfield, da Comissão para as Crianças do Reino Unido.

A investigação é publicada uma semana depois de ter sido divulgado que muitas raparigas vestem calções por baixo das saias da farda escolar, para evitar assédio sexual nas escolas.

Os especialistas deixam o alerta: a indústria e os governos precisam de se responsabilizar mais para assegurar que os jovens são protegidos.

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.