sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro francês pede fim de manifestações violentas em Paris

O primeiro-ministro francês apelou hoje à organização sindical Confederação Geral do Trabalho (CGT) para não organizar manifestações em Paris que possam gerar violência, após 40 pessoas terem ficado feridas na terça-feira, num protesto contra a reforma laboral.

© POOL New / Reuters

Manuel Valls criticou a CGT pelas manifestações violentas que abalaram o país nos últimos três meses e ameaçou proibir determinados desfiles.

"Peço à CGT para não organizar mais este tipo de manifestações em Paris", declarou Valls à rádio France Inter, referindo que o Governo assumirá as suas responsabilidades, apesar de não poder decretar a proibição geral dos protestos.

Além dos 40 feridos nos confrontos com a polícia, as manifestações de terça-feira em Paris contra a reforma laboral resultaram na destruição de caixotes do lixo, que foram incendiados, e em estragos em estabelecimentos comerciais, bem como na destruição das janelas de um hospital psiquiátrico.

No fim de maio, um veículo da polícia tinha sido incendiado, mas os ocupantes conseguiram sair ilesos.

As manifestações ocorrem numa altura de grande pressão para as forças de segurança francesas devido à realização do campeonato europeu de futebol e do alerta contra o terrorismo, em vigor desde os atentados de 13 de novembro de 2015, em Paris, que provocaram 130 mortos.

Na segunda-feira à noite, um ataque perto de Paris reivindicado pelo grupo extremista Daesh provocou dois mortos, um vice-comandante da polícia e a mulher.

O atacante acabou por ser abatido pelas forças de segurança.

Dois outros dias de greves e manifestações por toda a França estão já previstos para 23 e 28 de junho.

O primeiro-ministro socialista anunciou hoje a sua recusa em abandonar a reforma contestada, argumentando que o texto foi "o resultado de um compromisso com os sindicatos reformistas".

Lusa

  • Manifestações contra reforma da lei laboral em França terminam com 26 feridos
    0:43

    Mundo

    Pelo menos 26 pessoas ficaram feridas e quinze foram detidas em Paris, durante uma manifestação contra a reforma da lei do trabalho. As mudanças estão em fase de debate e o protesto foi organizado por vários sindicatos e por organizações de estudantes que dizem que as alterações vão levar à perda de direitos dos trabalhadores. Na Praça dos Inválidos, na capital francesa, os confrontos com a polícia. As autoridades responderam com gás lacrimógeneo. As greves de hoje fecharam a Torre Eiffel e interromperam ligações de transportes, numa altura em que milhares de adeptos estão em trânsito, em França, para assistir aos jogos do Euro 2016. Os protestos estenderam-se a outras cidades do país. O correspondente do Expresso em Paris, Daniel Ribeiro, relatou, por telefone, o que se passa por esta altura nas ruas de França.

  • PJ faz buscas no Benfica sobre o caso dos e-mails

    Desporto

    A Polícia Judiciária está a fazer buscas em instações no Benfica devido ao caso dos e-mails divulgado pelo diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques. Contactado pela SIC, o clube da Luz diz que desconhece a ação da PJ.

    Em atualização

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do último álbum, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.