sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro francês pede fim de manifestações violentas em Paris

O primeiro-ministro francês apelou hoje à organização sindical Confederação Geral do Trabalho (CGT) para não organizar manifestações em Paris que possam gerar violência, após 40 pessoas terem ficado feridas na terça-feira, num protesto contra a reforma laboral.

© POOL New / Reuters

Manuel Valls criticou a CGT pelas manifestações violentas que abalaram o país nos últimos três meses e ameaçou proibir determinados desfiles.

"Peço à CGT para não organizar mais este tipo de manifestações em Paris", declarou Valls à rádio France Inter, referindo que o Governo assumirá as suas responsabilidades, apesar de não poder decretar a proibição geral dos protestos.

Além dos 40 feridos nos confrontos com a polícia, as manifestações de terça-feira em Paris contra a reforma laboral resultaram na destruição de caixotes do lixo, que foram incendiados, e em estragos em estabelecimentos comerciais, bem como na destruição das janelas de um hospital psiquiátrico.

No fim de maio, um veículo da polícia tinha sido incendiado, mas os ocupantes conseguiram sair ilesos.

As manifestações ocorrem numa altura de grande pressão para as forças de segurança francesas devido à realização do campeonato europeu de futebol e do alerta contra o terrorismo, em vigor desde os atentados de 13 de novembro de 2015, em Paris, que provocaram 130 mortos.

Na segunda-feira à noite, um ataque perto de Paris reivindicado pelo grupo extremista Daesh provocou dois mortos, um vice-comandante da polícia e a mulher.

O atacante acabou por ser abatido pelas forças de segurança.

Dois outros dias de greves e manifestações por toda a França estão já previstos para 23 e 28 de junho.

O primeiro-ministro socialista anunciou hoje a sua recusa em abandonar a reforma contestada, argumentando que o texto foi "o resultado de um compromisso com os sindicatos reformistas".

Lusa

  • Manifestações contra reforma da lei laboral em França terminam com 26 feridos
    0:43

    Mundo

    Pelo menos 26 pessoas ficaram feridas e quinze foram detidas em Paris, durante uma manifestação contra a reforma da lei do trabalho. As mudanças estão em fase de debate e o protesto foi organizado por vários sindicatos e por organizações de estudantes que dizem que as alterações vão levar à perda de direitos dos trabalhadores. Na Praça dos Inválidos, na capital francesa, os confrontos com a polícia. As autoridades responderam com gás lacrimógeneo. As greves de hoje fecharam a Torre Eiffel e interromperam ligações de transportes, numa altura em que milhares de adeptos estão em trânsito, em França, para assistir aos jogos do Euro 2016. Os protestos estenderam-se a outras cidades do país. O correspondente do Expresso em Paris, Daniel Ribeiro, relatou, por telefone, o que se passa por esta altura nas ruas de França.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.