sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro francês pede fim de manifestações violentas em Paris

O primeiro-ministro francês apelou hoje à organização sindical Confederação Geral do Trabalho (CGT) para não organizar manifestações em Paris que possam gerar violência, após 40 pessoas terem ficado feridas na terça-feira, num protesto contra a reforma laboral.

© POOL New / Reuters

Manuel Valls criticou a CGT pelas manifestações violentas que abalaram o país nos últimos três meses e ameaçou proibir determinados desfiles.

"Peço à CGT para não organizar mais este tipo de manifestações em Paris", declarou Valls à rádio France Inter, referindo que o Governo assumirá as suas responsabilidades, apesar de não poder decretar a proibição geral dos protestos.

Além dos 40 feridos nos confrontos com a polícia, as manifestações de terça-feira em Paris contra a reforma laboral resultaram na destruição de caixotes do lixo, que foram incendiados, e em estragos em estabelecimentos comerciais, bem como na destruição das janelas de um hospital psiquiátrico.

No fim de maio, um veículo da polícia tinha sido incendiado, mas os ocupantes conseguiram sair ilesos.

As manifestações ocorrem numa altura de grande pressão para as forças de segurança francesas devido à realização do campeonato europeu de futebol e do alerta contra o terrorismo, em vigor desde os atentados de 13 de novembro de 2015, em Paris, que provocaram 130 mortos.

Na segunda-feira à noite, um ataque perto de Paris reivindicado pelo grupo extremista Daesh provocou dois mortos, um vice-comandante da polícia e a mulher.

O atacante acabou por ser abatido pelas forças de segurança.

Dois outros dias de greves e manifestações por toda a França estão já previstos para 23 e 28 de junho.

O primeiro-ministro socialista anunciou hoje a sua recusa em abandonar a reforma contestada, argumentando que o texto foi "o resultado de um compromisso com os sindicatos reformistas".

Lusa

  • Manifestações contra reforma da lei laboral em França terminam com 26 feridos
    0:43

    Mundo

    Pelo menos 26 pessoas ficaram feridas e quinze foram detidas em Paris, durante uma manifestação contra a reforma da lei do trabalho. As mudanças estão em fase de debate e o protesto foi organizado por vários sindicatos e por organizações de estudantes que dizem que as alterações vão levar à perda de direitos dos trabalhadores. Na Praça dos Inválidos, na capital francesa, os confrontos com a polícia. As autoridades responderam com gás lacrimógeneo. As greves de hoje fecharam a Torre Eiffel e interromperam ligações de transportes, numa altura em que milhares de adeptos estão em trânsito, em França, para assistir aos jogos do Euro 2016. Os protestos estenderam-se a outras cidades do país. O correspondente do Expresso em Paris, Daniel Ribeiro, relatou, por telefone, o que se passa por esta altura nas ruas de França.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.