sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro francês pede fim de manifestações violentas em Paris

O primeiro-ministro francês apelou hoje à organização sindical Confederação Geral do Trabalho (CGT) para não organizar manifestações em Paris que possam gerar violência, após 40 pessoas terem ficado feridas na terça-feira, num protesto contra a reforma laboral.

© POOL New / Reuters

Manuel Valls criticou a CGT pelas manifestações violentas que abalaram o país nos últimos três meses e ameaçou proibir determinados desfiles.

"Peço à CGT para não organizar mais este tipo de manifestações em Paris", declarou Valls à rádio France Inter, referindo que o Governo assumirá as suas responsabilidades, apesar de não poder decretar a proibição geral dos protestos.

Além dos 40 feridos nos confrontos com a polícia, as manifestações de terça-feira em Paris contra a reforma laboral resultaram na destruição de caixotes do lixo, que foram incendiados, e em estragos em estabelecimentos comerciais, bem como na destruição das janelas de um hospital psiquiátrico.

No fim de maio, um veículo da polícia tinha sido incendiado, mas os ocupantes conseguiram sair ilesos.

As manifestações ocorrem numa altura de grande pressão para as forças de segurança francesas devido à realização do campeonato europeu de futebol e do alerta contra o terrorismo, em vigor desde os atentados de 13 de novembro de 2015, em Paris, que provocaram 130 mortos.

Na segunda-feira à noite, um ataque perto de Paris reivindicado pelo grupo extremista Daesh provocou dois mortos, um vice-comandante da polícia e a mulher.

O atacante acabou por ser abatido pelas forças de segurança.

Dois outros dias de greves e manifestações por toda a França estão já previstos para 23 e 28 de junho.

O primeiro-ministro socialista anunciou hoje a sua recusa em abandonar a reforma contestada, argumentando que o texto foi "o resultado de um compromisso com os sindicatos reformistas".

Lusa

  • Manifestações contra reforma da lei laboral em França terminam com 26 feridos
    0:43

    Mundo

    Pelo menos 26 pessoas ficaram feridas e quinze foram detidas em Paris, durante uma manifestação contra a reforma da lei do trabalho. As mudanças estão em fase de debate e o protesto foi organizado por vários sindicatos e por organizações de estudantes que dizem que as alterações vão levar à perda de direitos dos trabalhadores. Na Praça dos Inválidos, na capital francesa, os confrontos com a polícia. As autoridades responderam com gás lacrimógeneo. As greves de hoje fecharam a Torre Eiffel e interromperam ligações de transportes, numa altura em que milhares de adeptos estão em trânsito, em França, para assistir aos jogos do Euro 2016. Os protestos estenderam-se a outras cidades do país. O correspondente do Expresso em Paris, Daniel Ribeiro, relatou, por telefone, o que se passa por esta altura nas ruas de França.

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.