sicnot

Perfil

Mundo

Príncipe William defende em revista gay os direitos da comunidade

O Príncipe William de Inglaterra é capa da última edição de uma revista gay britânica. A The Attitude publica um artigo no qual o Duque de Cambridge condena atitudes discriminatórias face à comunidade gay e lésbica.

Os Duques de Cambridge assinam o Livro de Condolências pelas vítimas do ataque ao bar gay em Orlando, EUA.

Os Duques de Cambridge assinam o Livro de Condolências pelas vítimas do ataque ao bar gay em Orlando, EUA.

reuters

Em comunicado, a direção da revista anuncia que esta é a primeira vez que um membro da família real britânica é capa de uma publicação gay.

O artigo - "Ninguém devia ser alvo de bullying pela sua orientação sexual nem por qualquer outra" - surge depois do Príncipe William ter desafiado a publicação a levar ao Palácio de Kensington um grupo de membros da comunidade gay e lésbica, para partilharem as suas experiências de bullying.

"Estou muito feliz pelo facto do futuro rei de Inglaterra concordar que isto tem de parar. Eu apelo particularmente aos pais para erguerem as suas vozes nas suas comunidades para assegurar que cada escola protege - realmente protege - as suas crianças", afirma em comunicado o editor da revista, Matthew Todd.

"O Duque de Cambridge está a trabalhar com afinco para apoiar a luta contra o bullying e a judar a quebrar o estigma sobre a saúde mental. Ele já criou uma taskforce para a prevenção do ciberbullying e, juntamente com a Duquesa de Cambridge e o Príncipe Harry, lidera a campanha pela saúde mental e bem-estar", declarou entretanto o porta-voz do Palácio de Kensington.

Fundada em 1994, a revista The Attitude intitula-se a revista gay que mais vende no Reino Unido.

  • "Até para o ano", a mensagem de Ronaldo para os adeptos do Real Madrid
  • Despenalização da eutanásia votada na terça-feira no Parlamento
    2:04
  • Há companhias aéreas a contratar. TAP é uma delas
    1:28

    Economia

    Com o crescimento do turismo, que continua a bater recordes, as companhias aéreas querem profissionais para reforçar as rotas com maior procura e oferecer novos destinos. Só a TAP prevê contratar mais 700 pessoas este ano para várias funções, incluindo 300 tripulantes de cabine e 170 pilotos.

  • O bombeiro herói que recebe 267 euros de pensão
    2:36
  • Funcionários dos EUA na Coreia do Norte para preparar cimeira
    2:19