sicnot

Perfil

Mundo

Sede de partido na Venezuela incendiada em protesto por falta de alimentos

Um grupo de motociclistas encapuzados incendiou hoje uma sede do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, no poder) e saqueou uma sucursal da rede de supermercados estatais Pdval, em protesto pela falta de produtos básicos.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Segundo as rádios locais, o protesto ocorreu em Lagunillas, no Estado venezuelano de Mérida, localidade situada 700 quilómetros a sudoeste de Caracas, onde reside um importante número de cidadãos portugueses.

O protesto iniciou-se depois a população ter esperado durante várias horas pela venda de leite pasteurizado, uma promessa das autoridades que não foi cumprida pela sucursal da rede de supermercados estatais.

Inconformada com a situação, a população incendiou pneus que colocou em várias ruas, interrompendo a circulação e iniciando uma situação em que motociclistas encapuzados incendiaram ainda as portas da Câmara Municipal de Sucre, queimaram uma viatura policial e destruíram um armazém.

Dezenas de funcionários da Polícia do Estado de Mérida (Polimérida) dispersaram os manifestantes, usando granadas de gás lacrimogéneo e efetuando disparos com balas de borracha.

Mais de uma dúzia de pessoas ficaram feridas nos confrontos com a polícia.

Na vizinha povoação de Tabay várias pessoas protestaram, pelo segundo dia consecutivo, contra as limitações para compra de produtos básicos, denunciando que em 15 dias apenas tinham podido aceder a um quilograma de farinha de milho pré-cozida.

Fontes não oficiais dão conta que se registaram várias tentativas de saques a pequenas mercearias e supermercados, situação que foi controlada pela polícia de Mérida.

Segundo o subdiretor da Polimérida, os agentes da polícia tiveram que montar um "dispositivo de segurança" para proteger a vida das pessoas que estavam nas filas para comprar produtos.

Ainda em Mérida, no município Libertador, dezenas pessoas saíram para a rua em protesto pela falta de produtos básicos. A população colocou vários pneus incendiados nas ruas principais da localidade de Doña Rosa, impedindo a circulação de viaturas durante várias horas.

São cada vez mais frequentes as queixas dos venezuelanos para conseguir, no mercado local, produtos básicos como a farinha de milho, café, açúcar, leite, manteiga, óleo, feijão e outros grãos, massa e arroz, entre outros, que quando chegam aos supermercados são vendidos sem chegar a ser colocados nas prateleiras.

Também são cada vez mais frequentes as filas junto dos supermercados, num país onde a inflação ronda os 200%.

Lusa

  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida