sicnot

Perfil

Mundo

Conselho Europeu aprova conclusões sobre igualdade de direitos de pessoas LGBTI

O Conselho Europeu aprovou recomendações à Comissão Europeia e aos Estados-membros para que reforcem e promovam a igualdade de direitos de pessoas LGBTI - lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais.

© Lucy Nicholson / Reuters

Numa reunião do Conselho do Emprego, Política Social, Saúde e Consumidores (EPSCO), no Luxemburgo, foram aprovadas, pela primeira vez, conclusões relativas à promoção da igualdade de direitos de pessoas LGBTI, na União Europeia.

Segundo o documento aprovado, o Conselho convida a Comissão Europeia a promover medidas para assegurar a igualdade, respeitando as identidades e tradições dos Estados bem como as suas competências, na área do direito da família, e pede que a Comissão informe os progressos alcançados até ao final do ano e, depois disso, anualmente.

O Conselho apela ainda à Comissão Europeia para que intensifique esforços na recolha de dados comparativos sobre a discriminação de pessoas LGBTI na União, nomeadamente em áreas como o emprego, a educação, a saúde ou o desporto.

O Conselho quer estatísticas fiáveis sobre a matéria, pede a cooperação da Comissão com outras entidades europeias e organizações internacionais (no sentido da promoção da igualdade), e convida a Comissão e os Estados-membros a "continuarem a apoiar" a ação dos mecanismos institucionais pela não discriminação, devendo estes (os Estados-membros) trabalhar em conjunto com a Comissão, na promoção da igualdade e da diversidade.

Na reunião de hoje, o Governo português esteve representado pelo ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, que, segundo uma nota do Ministério à imprensa, "felicitou a presidência holandesa pela forma como se esforçou por obter uma posição conjunta dos Estados-membros nesta matéria".

Ainda assim, diz a nota, Portugal aderiu formalmente à declaração entregue ao Conselho pela Suécia, Dinamarca, Áustria e Bélgica, que "sublinha a necessidade de se continuar a trabalhar para garantir a igualdade de direitos e oportunidades para todas as pessoas".

"Teríamos gostado que as conclusões fossem um pouco mais ambiciosas e que a mensagem sobre a necessidade de observância dos direitos humanos das pessoas LGBTI fosse mais forte", diz a nota entregue por aqueles países.

No comunicado salienta-se a importância de promover e garantir a igualdade de direitos e oportunidades para todas as pessoas, "independentemente da orientação sexual, identidade de género", e diz-se que a garantia da herança cultural, tradições ou valores religiosos não poderá ser invocada "para justificar qualquer forma de discriminação, incluindo discriminação contra pessoas LGBTI."

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.