sicnot

Perfil

Mundo

Livreiro de Hong Kong diz que foi obrigado a confessar crimes na televisão

Lam Wing-kee, um dos cinco livreiros de Hong Kong detidos pela China no final de 2015, libertado esta semana após oito meses desaparecido, garantiu em conferência de imprensa que a confissão que fez na televisão foi forçada.

Vincent Yu

Segundo a imprensa local, Lam disse numa conferência de imprensa em Hong Kong, dois dias depois da sua libertação, que as autoridades chinesas lhe tinham dado um guião em que afirmava querer ser castigado pelos seus "erros", o qual se limitou a seguir.

"Era um espetáculo e eu aceitei. Deram-me um guião e tinha de segui-lo. Se não o tivesse cumprido teriam pedido mais uma gravação", explicou o livreiro, em declarações citadas pelo diário South China Morning Post.

Com a libertação de Lam passam a ser quatro os livreiros de Hong Kong que já foram libertados, depois de terem desaparecido por razões desconhecidas.

Posteriormente, veio a saber-se que os cinco tinham sido detidos pela polícia chinesa.

Os cinco estavam ligados à editora Mighty Current e à livraria Causeway Bay Books, com sede em Hong Kong, que publicavam e vendiam livros críticos do regime comunista de Pequim e proibidos na China.

O quinto, Gui Minhai, com passaporte sueco e considerado o mais importante dos livreiros, continua em paradeiro desconhecido, depois de ter sido desaparecido em outubro de 2015 na Tailândia.

Os restantes reaparecerem semanas mais tarde na China, sob tutela das autoridades chinesas, e surgiram na televisão estatal a assumir alegados crimes, ou a afirmar estar voluntariamente a colaborar com investigações policiais.

Lam, de 61 anos, explicou que a polícia deteve-o em 24 de outubro quando estava na cidade vizinha de Shenzen (sul da China), acrescentando que lhe seria libertado se desse à polícia uma lista com os clientes da livraria, e também dos autores das obras em causa.

No início da detenção, o livreiro disse ter sido algemado, vendado e transportado de Shenzen para Ningbo (leste da China) onde esteve cinco meses numa habitação, sob vigilância.

Negou, no entanto, ter sido maltratado durante o período de detenção e disse que tinha comida, tratamento médico e um sítio para dormir, mas não podia comunicar com o exterior, nem teve direito a consultar um advogado.

Depois da conferência de imprensa, a Amnistia Internacional (AI) enviou um comunicado ao Governo chinês em que exige que "admitisse a verdade".

Segundo a diretora da AI-Hong Kong, Lam comunicou "o que muitos suspeitavam há tempos: que esta foi uma operação orquestrada pelas autoridades chinesas. Parece claro que ele e provavelmente os outros, foram detidos arbitrariamente, maltratados e obrigados a confessar".

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.