sicnot

Perfil

Mundo

Astrónomos descobrem mais "Júpiter quentes"

Uma equipa de astrónomos do Instituto Max Planck de Garching (sul da Alemanha) no observatório La Silla, Chile, descobriu que na nuvem estelar Messier 67 há mais planetas conhecidos como "Júpiter quentes" do que se pensava.

© NASA NASA / Reuters

Os "Júpiter quentes" são planetas que têm, pelo menos, um terço da superfície de Júpiter, mas têm uma órbita próxima da sua estrela anfitriã, e, por isso, as suas temperaturas são muito elevadas.

Os períodos orbitais dos "Júpiter quentes" são inferiores a dez dias terrestres, o que compara com os cerca de 12 anos terrestres que constitui o período orbital do "nosso" Júpiter - o tempo que demora a dar a volta ao Sol, o seu "ano" -, para além de que a temperatura de Júpiter, um exoplaneta, é muito mais fria do que a da Terra.

A descoberta foi resultado do trabalho de vários anos de uma equipa de cientistas composta por investigadores do Chile, Brasil e da Europa, dirigida por Roberto Saglia, do Instituto Max Planck para a Física Extraterrestre, em Garching, e por Luca Pasquini, do European Southern Observatory (ESO).

A equipa recompilou medições de alta precisão de 88 estrelas situadas em Messier 67, um aglomerado estelar com aproximadamente a mesma idade que o Sol.

O estudo concluiu que os "Júpiter quentes" são mais comuns em torno das estrelas em Messier 67 do que no caso de estrelas isoladas, ou seja, fora de nuvens estelares.

"Este resultado é realmente surpreendente", afirmou Anna Brucalassi, a primeira autora do estudo.

"Os novos resultados mostram que existem Júpiter quentes na órbita de cerca de 5% das estrelas estudadas na nuvem Messier 67 - muito mais do que em estudos comparáveis de estrelas que não estão em aglomerados estelares, onde a taxa está mais próxima de 1%", acrescentou.

Os astrónomos acreditam que é muito improvável que estes gigantes exóticos se tenham formado no local onde se encontram atualmente, uma vez que as condições próximas da estrela anfitriã não teriam sido propícias à formação de planetas com as características de Júpiter.

Ou seja, acreditam que se formaram longe, como provavelmente aconteceu com Júpiter, para depois se deslocarem em direção à estrela anfitriã.

A ser assim, o que foram planetas gigantes, frios e distantes são agora muito mais quentes, pelo que fica a questão em aberto de se saber as causas dessa migração em direção à estrela anfitriã.

Lusa

  • Fogo na Sertã alastrou aos concelhos de Mação e Proença-a-Nova
    2:37

    País

    Mais de 700 bombeiros combatem o incêndio que começou este domingo na Sertã e, durante a noite foi empurrado pelo vento para outros dois concelhos. As chamas atingiram as zonas de Mação e de Proença-a-Nova, onde os habitantes dizem que há várias casas destruídas pelo fogo. Esta manhã, chegaram dois aviões espanhóis para ajudar a controlar as chamas.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

    Em atualização

  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Genro de Donald Trump depõe hoje no Senado

    Mundo

    Jared Kushner, genro do Presidente dos EUA Donald Trump, vai hoje depor à porta fechada perante o comité dos serviços de inteligência do Senado, a câmara alta do Congresso norte-americano.

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.

  • Projéteis com bolsas de água ajudam Israel a combater os fogos
    3:34

    Mundo

    Israel tem sido afetado por graves incêndios nos últimos meses. Várias empresas de armamento têm-se dedicado à luta contra o fogo e criaram, recentemente, uma nova arma para apagar fogos: um míssil de água, fabricado pela indústria de material de guerra, que tem ajudado bastante os bombeiros israelitas. A reportagem do correspondente da SIC no Médio Oriente, Henrique Cymerman, mostra-nos como funcionam os projéteis de água.

    Henrique Cymerman

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15