sicnot

Perfil

Mundo

Autoridades de Istambul proíbem marcha gay por razões de segurança

As autoridades de Istambul anunciaram esta sexta-feira que não autorizarão este ano a marcha gay prevista para o final do mês na maior cidade da Turquia para "manter a segurança e a ordem pública".

© Amir Cohen / Reuters

A administração local indica num comunicado ter tido conhecimento do projeto de realizar a marcha a 26 de junho, em pleno Ramadão, apelando aos cidadãos para respeitarem os avisos das forças de segurança.

A tradicional "marcha do orgulho gay" de Istambul já se realizou 12 vezes, nela participando milhares de pessoas em defesa dos direitos das minorias LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgéneros). É a mais importante do género num país muçulmano do Médio Oriente.

Ao contrário do habitual, o ano passado a polícia utilizou balas de borracha, gás lacrimogéneo e canhões de água contra os participantes, mesmo antes do desfile começar, para obrigar a multidão a dispersar.

A Turquia tem sido palco desde o início do ano de uma série de atentados, um dos quais, atribuído ao Daesh, ocorreu na grande rua comercial da cidade, a Istiklal, no percurso do desfile gay.

Por outro lado, um grupo de ultranacionalistas turcos pediu no início da semana às autoridades para cancelarem a iniciativa, alertando que se encarregariam de a impedir se o seu apelo não tivesse resposta.

Lusa

  • Isto não é não jornalismo. Por Ricardo Costa

    Opinião

    Uma das decisões mais banais e corriqueiras do jornalismo assenta nas escolhas que se fazem no dia a dia. Que temas se abordam, que destaque se dá a este ou aquele assunto, que ângulos de abordagem se usam. São opções condicionadas por uma série de fatores - que vão do interesse e da novidade até questões tão básicas como o haver ou não jornalistas com tempo, meios e conhecimentos para o fazerem -, que estão e estarão na base de qualquer dia de trabalho numa redação.

    Ricardo Costa

  • Bruxelas multa Altice em 125 M€ devido à compra da PT

    Economia

    Os Serviços da Concorrência da Comissão Europeia decidiram multar a Altice em 125 milhões de euros no âmbito da compra da PT Portugal. Bruxelas avançou com a multa à Altice por ter começado a gerir a PT antes do negócio ter sido aprovado pela Comissão Europeia.

  • "Não há nenhuma meta com Bruxelas", garante Centeno no Parlamento
    0:57

    Economia

    O ministro das Finanças afirma que o Programa de Estabilidade é debatido em Lisboa e não em Bruxelas.Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno assegurou ainda que as metas são as mesmas com que se comprometeu no programa do Governo e garante que não há nenhuma meta acordada com Bruxelas.