sicnot

Perfil

Mundo

Autoridades de Istambul proíbem marcha gay por razões de segurança

As autoridades de Istambul anunciaram esta sexta-feira que não autorizarão este ano a marcha gay prevista para o final do mês na maior cidade da Turquia para "manter a segurança e a ordem pública".

© Amir Cohen / Reuters

A administração local indica num comunicado ter tido conhecimento do projeto de realizar a marcha a 26 de junho, em pleno Ramadão, apelando aos cidadãos para respeitarem os avisos das forças de segurança.

A tradicional "marcha do orgulho gay" de Istambul já se realizou 12 vezes, nela participando milhares de pessoas em defesa dos direitos das minorias LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgéneros). É a mais importante do género num país muçulmano do Médio Oriente.

Ao contrário do habitual, o ano passado a polícia utilizou balas de borracha, gás lacrimogéneo e canhões de água contra os participantes, mesmo antes do desfile começar, para obrigar a multidão a dispersar.

A Turquia tem sido palco desde o início do ano de uma série de atentados, um dos quais, atribuído ao Daesh, ocorreu na grande rua comercial da cidade, a Istiklal, no percurso do desfile gay.

Por outro lado, um grupo de ultranacionalistas turcos pediu no início da semana às autoridades para cancelarem a iniciativa, alertando que se encarregariam de a impedir se o seu apelo não tivesse resposta.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.