sicnot

Perfil

Mundo

Disney vai pôr sinais de perigo de jacarés depois da morte de menino na Flórida

A Walt Disney World da Flórida planeia pôr sinais de aviso de perigo de jacarés, depois da morte terça-feira de uma criança que foi arrastada da margem do lago de uma estância de férias, disseram os 'media' norte-americanos.

© Mario Anzuoni / Reuters

"Todas as nossas praias estão atualmente fechadas, e estamos a fazer uma revisão rápida e completa de todos os nossos processos e protocolos", disse quinta-feira em comunicado o vice-presidente da Walt Disney Resort, Jacquee Wahler.

"Isto inclui o número, o local e as palavras da nossa sinalização e avisos", continuou.

Os sinais vão agora avisar explicitamente do perigo de jacarés, disse o jornal Orlando Sentinel e outros meios de comunicação dos EUA, citando fontes anónimas que dizem ter "conhecimento da situação".

Na zona do ataque com o jacaré, havia um aviso para não se nadar na praia, junto ao lago do Grand Floridian Resort e Spa da Disney, onde o menino de dois anos e a sua família estavam alojados.

Contudo, não havia sinais de aviso sobre jacarés.

Os animais encontram-se em grandes espaços de água doce em toda a Flórida, mas raramente atacam seres humanos.

Antes deste incidente, desde 1948 foram registadas 22 mortes por dentadas de jacarés não provocados documentadas na Flórida, de acordo com os serviços estatais da Florida.

O pai da criança tentou salvar a criança quando o jacaré a arrastou, mas não a conseguiu salvar.

Os mergulhadores encontraram o corpo da criança na quarta-feira a cerca de 1,8 metros de profundidade e a apenas entre 10 e 15 metros do sítio de onde foi arrastado.

A Disney fechou todas as praias dos seus 'resorts' com praias e marinas por precaução, depois do incidente.

O Grand Floridian faz parte do grande complexo de 'resorts' da Disney, que inclui vários parques temáticos, parques aquáticos, hotéis e campos de golfe.

Lusa

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas.