sicnot

Perfil

Mundo

Moçambique precisa de 15 mil toneladas de alimentos por mês devido à seca

O Governo moçambicano precisa mensalmente de 15 mil toneladas de alimentos para cerca de 1,5 milhão de pessoas afetadas pela seca no país, informou hoje o porta-voz do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC), Paulo Tomás.

Reuters

Reuters

REUTERS

"Continuamos preocupados com a situação, buscando parceiros que nos apoiem na assistência às pessoas afetadas", disse Paulo Tomás, falando à imprensa, momentos após uma reunião do INGC em Maputo.

O porta-voz do INGC acrescentou que as autoridades moçambicanas mantêm a vigilância em relação à situação humanitária das comunidades afetadas pela seca, para garantir o apoio aos necessitados.

"Continuamos a observar o processo dentro das nossas condições", observou Paulo Tomás, referindo que o Instituto Nacional de Meteorologia em Moçambique continua a monitorar as condições climáticas para os próximos tempos.

A seca que afeta as províncias do centro e sul de Moçambique comprometeu grande parte do primeiro período da época agrícola de 2016 e, de acordo com dados oficiais, apenas 10% dos camponeses conseguiram ter resultados satisfatórios.

Na primeira fase do plano de assistência, que agora termina, o INGC conseguiu abranger 750 mil pessoas em situação de insegurança alimentar e, através de uma estratégia de abertura de furos nos distritos mais afetados pela estiagem, cerca de 100 mil pessoas têm agora acesso a água potável.

Para responder com eficácia às necessidades da população em tempos de calamidade, o INGC está à procura de meios para a construção de infraestruturas mais resistentes e capazes de disponibilizar atempadamente informações para a rápida assistência das pessoas, num plano orçado em cerca de 400 milhões de dólares (355 milhões de euros) por ano.

A situação das pessoas afetadas pela seca em Moçambique levou o Governo a decretar em abril "alerta vermelho" para dinamizar as ações de assistência às populações.

Moçambique é sazonalmente atingido por cheias, fenómeno justificado pela sua localização geográfica, a jusante da maioria das bacias hidrográficas da África Austral, mas o sul do país é afetado por secas prolongadas e que este ano atingem também as províncias da região centro.

Além de Moçambique, a seca afeta vários países da África Austral, tendo levado o Malaui, a Zâmbia e o Zimbabué a declararem o estado de emergência devido à falta de alimentos.

A estiagem, que dura há mais de um ano, afeta ainda a maior potência da região, a África do Sul, que declarou esta seca como a pior dos últimos cem anos.

Lusa

  • "PCP não é força de suporte do Governo"
    2:11

    País

    Ao segundo dia de congresso comunista, ouviu-se o aviso mais forte, até agora, ao PS. João Oliveira, líder parlamentar do partido, diz que o PCP não se diluiu e que não é suporte do Governo. Já Jerónimo de Sousa deixou elogios à excelente geração de jovens que estão na frente política do PCP.

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.