sicnot

Perfil

Mundo

Moçambique precisa de 15 mil toneladas de alimentos por mês devido à seca

O Governo moçambicano precisa mensalmente de 15 mil toneladas de alimentos para cerca de 1,5 milhão de pessoas afetadas pela seca no país, informou hoje o porta-voz do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC), Paulo Tomás.

Reuters

Reuters

REUTERS

"Continuamos preocupados com a situação, buscando parceiros que nos apoiem na assistência às pessoas afetadas", disse Paulo Tomás, falando à imprensa, momentos após uma reunião do INGC em Maputo.

O porta-voz do INGC acrescentou que as autoridades moçambicanas mantêm a vigilância em relação à situação humanitária das comunidades afetadas pela seca, para garantir o apoio aos necessitados.

"Continuamos a observar o processo dentro das nossas condições", observou Paulo Tomás, referindo que o Instituto Nacional de Meteorologia em Moçambique continua a monitorar as condições climáticas para os próximos tempos.

A seca que afeta as províncias do centro e sul de Moçambique comprometeu grande parte do primeiro período da época agrícola de 2016 e, de acordo com dados oficiais, apenas 10% dos camponeses conseguiram ter resultados satisfatórios.

Na primeira fase do plano de assistência, que agora termina, o INGC conseguiu abranger 750 mil pessoas em situação de insegurança alimentar e, através de uma estratégia de abertura de furos nos distritos mais afetados pela estiagem, cerca de 100 mil pessoas têm agora acesso a água potável.

Para responder com eficácia às necessidades da população em tempos de calamidade, o INGC está à procura de meios para a construção de infraestruturas mais resistentes e capazes de disponibilizar atempadamente informações para a rápida assistência das pessoas, num plano orçado em cerca de 400 milhões de dólares (355 milhões de euros) por ano.

A situação das pessoas afetadas pela seca em Moçambique levou o Governo a decretar em abril "alerta vermelho" para dinamizar as ações de assistência às populações.

Moçambique é sazonalmente atingido por cheias, fenómeno justificado pela sua localização geográfica, a jusante da maioria das bacias hidrográficas da África Austral, mas o sul do país é afetado por secas prolongadas e que este ano atingem também as províncias da região centro.

Além de Moçambique, a seca afeta vários países da África Austral, tendo levado o Malaui, a Zâmbia e o Zimbabué a declararem o estado de emergência devido à falta de alimentos.

A estiagem, que dura há mais de um ano, afeta ainda a maior potência da região, a África do Sul, que declarou esta seca como a pior dos últimos cem anos.

Lusa

  • Vem lá chuva

    País

    A chuva vai voltar a Portugal continental a partir de quarta-feira e pelo menos até domingo, enquanto as temperaturas mínimas deverão subir.

  • "O Sporting é o um barco à deriva"
    2:26
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    A crise do Sporting foi o principal tema em O Dia Seguinte, esta segunda-feira. José Guilherme Aguiar censura Bruno de Carvalho por ter convidado Jorge Jesus para a comissão de honra da recandidatura. Já Rogério Alves não tem dúvidas que a contestação tem aumentado de tom devido à proximidade das eleições do Sporting. Rui Gomes da Silva pensa que toda a direção leonina é responsável pelo mau momento atual do clube.

  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Violação emitida em direto no Facebook

    Mundo

    Três homens foram detidos na Suécia, por suspeitas de violação de uma mulher, num apartamento a 70 quilómetros da capital. Os suspeitos filmaram o ato de violência e exibiram-no em direto no Facebook.

  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.