sicnot

Perfil

Mundo

Casal morto no Paquistão por familiares que reprovavam casamento

Uma mulher grávida e o marido foram raptados e mortos a tiro por familiares que não aprovaram o seu casamento, foi hoje anunciado pela polícia como sendo o último de vários casos de morte no Paquistão por questões "de honra".

(Arquivo)

(Arquivo)

© Akhtar Soomro / Reuters

O casal foi morto na quarta-feira perto da aldeia de Thikriwala, na província do Punjab, e os corpos foram encontrados posteriormente, durante a limpeza de um canal.

A mulher, Aqsa Bibi, tinha 22 anos, e o homem, Shakeel Ahmed, tinha 26. Trabalhavam ambos na farmácia local e tinham casado há quatro anos, numa cerimónia civil.

Segundo a polícia, foi a família de Aqsa, que vivia numa aldeia próxima, que matou o casal.

Um dos irmãos da jovem, Muhammad Moavia, que regressara recentemente do estrangeiro, juntou um grupo de parentes para raptar o casal, que foi depois baleado na cabeça e atirado ao canal.

Moavia continua a monte e as buscas da polícia prosseguem.

De acordo com as autoridades, este foi o mais recente caso de morte por questões "de honra", que vitimam cerca de 1.000 vidas por ano no Paquistão.

Na semana passada, um homem foi morto pela família da mulher, que desaprovou o casamento, e na semana anterior foi morta uma jovem de 16 anos pela sua mãe, que não aceitou o seu casamento com um homem da sua escolha.

Lusa

  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida