sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro francês mantém firme a postura do Governo face à pressão sindical

O primeiro-ministro francês admitiu hoje que há um "profundo desacordo" com os sindicados sobre a reforma laboral em França, mas frisou ter chegado a hora de se avançar rapidamente para a aprovação de um projeto de lei nesse sentido.

© Philippe Wojazer / Reuters

"Não se vai retirar o (atual) texto nem mudar a sua filosofia, nem ainda reescrever os principais artigos", disse Manuel Valls numa entrevista publicada hoje no semanário francês Le Journal de Dimanche.

O projeto defendido pela ministra do Trabalho gaulesa, Myruiam El Khonri, voltará à Assembleia Nacional (AN) a 05 de julho próximo, depois de ter sido aprovado no próprio Parlamento por decreto e de estar atualmente a aguardar a tramitação no Senado.

"Houve tempo para o diálogo. A social-democracia não é a expressão permanente da contestação, mas sim o respeito dos tempos democráticos", frisou o chefe do executivo francês, que não se pronunciou sobre a possibilidade de recorrer à Constituição caso seja necessário "saltar" pelo voto do parlamento.

"Cada coisa a seu tempo", afirmou Manuel Valls, deixando, porém, clara a intenção de restabelecer a versão aprovada pelo parlamento em maio, depois de a direita francesa, disse o primeiro-ministro francês, a ter "alterado significativamente" no Senado.

Manuel Valls evitou também ser mais preciso sobre a eventual proibição das manifestações convocadas para 23 e 28 deste mês, mas pediu "responsabilidade" aos sindicatos.

"Tendo em conta a situação, as altercações que têm acontecido, o atentado contra dois polícias e a realização do Campeonato da Europa (de futebol), os organizadores deveriam anular as manifestações", defendeu.

Manuel Valls sublinhou que, se o executivo constatar que os protestos vão constituir um "novo perigo" para as forças de segurança francesas e para os bens públicos, o Governo será "obrigado a assumir as suas responsabilidades".

Lusa

  • Manifestações contra reforma da lei laboral em França terminam com 26 feridos
    0:43

    Mundo

    Pelo menos 26 pessoas ficaram feridas e quinze foram detidas em Paris, durante uma manifestação contra a reforma da lei do trabalho. As mudanças estão em fase de debate e o protesto foi organizado por vários sindicatos e por organizações de estudantes que dizem que as alterações vão levar à perda de direitos dos trabalhadores. Na Praça dos Inválidos, na capital francesa, os confrontos com a polícia. As autoridades responderam com gás lacrimógeneo. As greves de hoje fecharam a Torre Eiffel e interromperam ligações de transportes, numa altura em que milhares de adeptos estão em trânsito, em França, para assistir aos jogos do Euro 2016. Os protestos estenderam-se a outras cidades do país. O correspondente do Expresso em Paris, Daniel Ribeiro, relatou, por telefone, o que se passa por esta altura nas ruas de França.

  • Refinarias petrolíferas em França desbloqueadas

    Mundo

    Todos os bloqueios às refinarias petrolíferas, que duravam há cerca de oito dias, foram levantados, à exceção da refinaria de Gargenville (Paris). Os protestos foram levantados, mesmo depois de François Hollande ter reafirmado hoje, na Cimeira do G7, a vontade de avançar com a reforma laboral.

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.