sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro francês mantém firme a postura do Governo face à pressão sindical

O primeiro-ministro francês admitiu hoje que há um "profundo desacordo" com os sindicados sobre a reforma laboral em França, mas frisou ter chegado a hora de se avançar rapidamente para a aprovação de um projeto de lei nesse sentido.

© Philippe Wojazer / Reuters

"Não se vai retirar o (atual) texto nem mudar a sua filosofia, nem ainda reescrever os principais artigos", disse Manuel Valls numa entrevista publicada hoje no semanário francês Le Journal de Dimanche.

O projeto defendido pela ministra do Trabalho gaulesa, Myruiam El Khonri, voltará à Assembleia Nacional (AN) a 05 de julho próximo, depois de ter sido aprovado no próprio Parlamento por decreto e de estar atualmente a aguardar a tramitação no Senado.

"Houve tempo para o diálogo. A social-democracia não é a expressão permanente da contestação, mas sim o respeito dos tempos democráticos", frisou o chefe do executivo francês, que não se pronunciou sobre a possibilidade de recorrer à Constituição caso seja necessário "saltar" pelo voto do parlamento.

"Cada coisa a seu tempo", afirmou Manuel Valls, deixando, porém, clara a intenção de restabelecer a versão aprovada pelo parlamento em maio, depois de a direita francesa, disse o primeiro-ministro francês, a ter "alterado significativamente" no Senado.

Manuel Valls evitou também ser mais preciso sobre a eventual proibição das manifestações convocadas para 23 e 28 deste mês, mas pediu "responsabilidade" aos sindicatos.

"Tendo em conta a situação, as altercações que têm acontecido, o atentado contra dois polícias e a realização do Campeonato da Europa (de futebol), os organizadores deveriam anular as manifestações", defendeu.

Manuel Valls sublinhou que, se o executivo constatar que os protestos vão constituir um "novo perigo" para as forças de segurança francesas e para os bens públicos, o Governo será "obrigado a assumir as suas responsabilidades".

Lusa

  • Manifestações contra reforma da lei laboral em França terminam com 26 feridos
    0:43

    Mundo

    Pelo menos 26 pessoas ficaram feridas e quinze foram detidas em Paris, durante uma manifestação contra a reforma da lei do trabalho. As mudanças estão em fase de debate e o protesto foi organizado por vários sindicatos e por organizações de estudantes que dizem que as alterações vão levar à perda de direitos dos trabalhadores. Na Praça dos Inválidos, na capital francesa, os confrontos com a polícia. As autoridades responderam com gás lacrimógeneo. As greves de hoje fecharam a Torre Eiffel e interromperam ligações de transportes, numa altura em que milhares de adeptos estão em trânsito, em França, para assistir aos jogos do Euro 2016. Os protestos estenderam-se a outras cidades do país. O correspondente do Expresso em Paris, Daniel Ribeiro, relatou, por telefone, o que se passa por esta altura nas ruas de França.

  • Refinarias petrolíferas em França desbloqueadas

    Mundo

    Todos os bloqueios às refinarias petrolíferas, que duravam há cerca de oito dias, foram levantados, à exceção da refinaria de Gargenville (Paris). Os protestos foram levantados, mesmo depois de François Hollande ter reafirmado hoje, na Cimeira do G7, a vontade de avançar com a reforma laboral.

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.