sicnot

Perfil

Mundo

Redes sociais bloqueadas na Argélia para evitar fugas dos exames do secundário

As autoridades argelinas bloquearam temporariamente o acesso às redes sociais para impedir novas fugas de temas dos exames, que deverão ser realizados a partir de hoje por metade dos candidatos, informou no sábado a agência de notícias APS.

© Rick Wilking / Reuters

Desde as 20 horas de sábado (mesma hora em Lisboa), as redes sociais, nomeadamente o Facebook e Twitter, ficaram inacessíveis para cibernautas argelinos, segundo a agência.

Este "encerramento das redes sociais tem uma relação direta com os exames parciais que começam na manhã de domingo", explicou à APS uma fonte do setor das telecomunicações.

Esta decisão foi tomada "sobretudo para proteger os candidatos aos exames do ensino secundário da publicação de falsos temas de exames nessas redes", acrescentou a mesma fonte.

Cerca de metade dos candidatos na Argélia estão obrigados a repetir o exame a partir da data de hoje, na sequência de fugas de informação sobre as provas na Internet.

No início de junho, cerca de 800.000 alunos realizaram exames em todo o país. Alguns candidatos das áreas científicas, matemática e gestão, receberam na sua conta de Facebook os temas que iam sair nas provas nacionais.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".