sicnot

Perfil

Mundo

Argélia bloqueia redes sociais para evitar fuga dos exames do secundário

A Argélia bloqueou temporariamente o acesso dos cidadãos ao Facebook e ao Twitter, bem como aos serviços 3G, para evitar fugas dos exames do secundário.

© Brendan McDermid / Reuters

Desde as 20 horas de sábado que o Facebook e o Twitter ficaram inacessíveis aos cibernautas argelinos. A medida surge depois de dezenas de pessoas terem sido detidas numa investigação relacionada com a publicação de partes dos exames nas redes sociais.

Este "encerramento das redes sociais tem uma relação directa com os exames parciais que começaram na manhã de domingo", explicou fonte do sector das telecomunicações.

A decisão foi tomada "sobretudo para proteger os candidatos aos exames do ensino secundário da publicação de falsos exames nessas redes", acrescentou a mesma fonte.

Cerca de metade dos candidatos na Argélia estão obrigados a repetir o exame, após fugas de informação das provas na Internet.

No início de Junho, cerca de 800.000 alunos realizaram exames em todo o país. Alguns candidatos das áreas científicas, matemática e gestão, receberam na sua conta de Facebook os temas que iam sair nas provas nacionalidade.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.